coluna

Pão & Circo

Pão & Circo

Nem tão santificada como o pão, nem tão carnavalesca quanto o circo. O cotidiano da cidade e de suas pessoas, a notável das coisas simples. Uma coluna aberta a seu tempo onde a versão é mais importante que o fato. Contato com o colunista: stavares@tce.pb.gov.br

BADERNA DEMOCRÁTICA

 Depois de meses de estudos, audiências e investigações, a briosa polícia de São Paulo não conseguiu indiciar ninguém pelo quebra-quebra, atos de vandalismo e selvageria dos chamados black-blocs nas manifestações de rua do ano que passou. Atônitos, os investigadores não sabem a quem nominar, nem a que movimento atribuir a anarquia que se instalou nas maiores cidades do Brasil, que tiveram logicamente um ponto de partida e um financiador, pois essas coisas não acontecem por acaso. Com isso, oficializa-se a impunidade, o que com certeza animará novos aventureiros a depredaram a coisa pública na próxima manifestação que for às ruas.

Saímos da ditadura para um porre de democracia. Tudo era permitido e era proibido proibir. O que esquecemos é que existe um largo fosso entre a democracia e a anarquia. O direito de manifestação é livre e deve ser exercido, mas a bandalheira generalizada, o ataque a bens públicos ou privados não combinam com o estado democrático, muito embora os ufanistas democratas queiram liberar tudo. Quem são os black-blocs? Quem os organiza e financia? Quem comanda a turba e ordena a bandalheira? A polícia não conseguiu descobrir isso, numa falha gritante da inteligência, pois existem gravações, depoimentos, imagens fotográficas, todo um arsenal de provas que ajudaria a montar um caso.
Quem vai agora deter a anarquia, depois que a própria polícia declarou-se impotente para identificar os baderneiros? Foi uma espécie de salvo conduto para quem quer delinquir, para quem quer destruir. Um dado perigoso nessa frágil democracia que não está assim tão estabilizada, a ponto de permitir o que parece democrático. A ação de uma minoria violenta pode pôr em jogo conquistas preciosas como o direito a protestar se ele for feito dentro das regras civilizadas e não transformem o centro das cidades em palco de guerra entre uma polícia pouco preparada para tratar de manifestações e gangues organizadas sem bandeira e sem ideologia que não seja a da violência mais pura contra tudo e todos.
 
Telinha
O PT carece de qualquer importância política nessa eleição que se aproxima. Com o partido bombardeado por denúncias de corrupção, o PT não é mais uma força eleitoral desejável, nem seu candidato tem projeções de votos.
Por isso o PT é desejado e assediado por outras legendas, todas de olho nos preciosos minutos televisivos que podem ajudar a decidir uma eleição.
O PT deve vender caro esse espaço, e como tática manterá sua pretensão de candidatura própria até receber garantias de que participará como voz ativa na divisão do bolo de um dos candidatos mais bem situados.
Só então virá a decisão de aliar-se.
 
Cabeças
Murmura-se nas antessalas do governo que secretários de pastas importantes estariam com uma falta de sintonia com o governo. Muito deles externam opiniões que divergem do governador em assuntos graves, por exemplo, como o TCM.  Por isso a sorte desses secretários já estaria lançada e eles seriam descartados e repostos por pessoas mais fiéis, que evitem contrariar o governo em qualquer decisão.  Como tudo nessa administração, a mudança é cercada de mistério, mas os mais íntimos do palácio já contabilizam como certa essa degola.
 
Pino
O secretário Fabiano Lucena desculpou-se de sua agressão aos juízes a quem chamou de ignorantes.
Nas redes sociais tentou minimizar o conflito com a Justiça.
 
Visita
É preciso bem mais que a visita de Temer para pacificar a ala do PMDB que quer o partido atrelado ao governo nas próximas eleições.
É um problema muito estadual para ser resolvido por caciques nacionais.
 
Excesso
Entusiasmado, o deputado Hervázio Bezerra chama Ricardo de herói por ter pago o salário em dia.      
Menos, meu caro Hervázio, menos...
 
Serrana
Daniella Ribeiro ameaça nova investida tentando a Prefeitura de Campina.
Será uma carreira de primeiro turno com certeza.
 
Carimbado
O deputado Hugo Cunha é chamado pela imprensa nacional de amigo e servidor de Cunha e inimigo de Dilma.
Vai ser difícil ele despregar-se desse carimbo.
 
Aviso
O presidente do TCE-PB, conselheiro Arthur Cunha Lima, foi peremptório ao advertir os prefeitos para que não deixem ações e despesas fundamentais, como os salários, em benefício do Carnaval. Isso pode dar até nome no ficha suja.
 
Frases...
Imutáveis - Só os extremamente sábios ou extremamente estúpidos não mudam.
 
Amigavelmente - Existem alguns divórcios amigáveis, mas os casamentos são todos litigiosos.
 
O fim - Tudo tem um final. Só a linguiça tem dois.