Fabi Cavalcanti
Miguel Cavalcanti

Abandonos da pandemia

 

No início da quarentena, com a mudança de rotina e a necessidade de estar em casa, houve um recorde de adoção de cães e gatos. Inicialmente, foi um cenário animador para a proteção animal; vários animais ganhando lares é o sonho de todo protetor. 

Porém, com o avanço da pandemia, tudo mudou. 

De acordo com a ONG Ampara Animal, o abandono de animais teve um crescimento de 70% em 2020.

O medo de que os animais pudessem ser transmissores da covid-19, perda da renda familiar e falecimento dos tutores foram alguns dos fatores que contribuíram para esse aumento. 

Em todas as regiões de nosso país podemos encontrar ongs e protetores independentes que tentam minimizar o sofrimento de animais abandonados, mas todos estão superlotados e a demanda não para de crescer.  

Existem maneiras de ajudar, mesmo se você não puder adotar um animalzinho:

  • Encontre ongs e protetores de sua cidade e procure saber qual é a maior necessidade deles – ração, medicamentos, abatimento de valores em clínicas veterinárias, por exemplo.
  • Divulgue o trabalho da proteção animal responsável e ajude a promover campanhas de arrecadação de alimentos;
  • Se possível, ofereça lar temporário;
  • Faça um trabalho voluntário em em abrigo;
  • Não abandone seu animal

Antes de adotar um pet estude bastante sobre as necessidades dele, reflita, converse com os outros membros de sua família, faça uma adoção consciente.

 O abandono de animais é crime!