“Hellboy II” estréia e traz visão criativa de Guillermo del Toro

Diretor de "Labirinto do Fauno" dá luz a criaturas fantásticas e comanda continuação de Hellboy, que estréia nos cinemas em João Pessoa. Outra opção é o filme "Show de Bola&quot

Renato Félix, do Jornal da Paraíba

‘O Labirinto do Fauno’ parece ter finalmente acordado todo mundo para o talento do mexicano Guillermo del Toro. E é por isso que ‘Hellboy II – O Exército Dourado’ (Hellboy II – The Golden Army, Estados Unidos/ Alemanha, 2008, estréia hoje em JP) tem atraído bem mais mídia do que quando o primeiro ‘Hellboy’ (2004) estava para chegar aos cinemas. Mas o talento de Del Toro já estava lá e, agora, além de mais maduro, ele certamente também tem mais controle criativo para dar à luz mais criaturas fantásticas.

Confira aqui os traileres e a programação completa dos filmes que estão em cartaz nos cinemas paraibanos.

O personagem dos quadrinhos de Mike Mignola foi um dos que deram mais sorte na transposição para o cinema. Foi levado por um diretor que une bom humor e diversão a muita criatividade e mostra respeito à matéria-prima sem procurar ser uma mera xérox da HQ original. O resultado foi um primeiro filme que mostrava personalidade e inteligência.

Agora, em ‘Hellboy II’, o filho do Inferno (Ron Perlman) está de volta, acompanhado da namorada, a psicotécnica Liz (Selma Blair, sempre interessante) e o amigo Abe Sapien (Doug Jones). Eles continuam trabalhando para o Bureau de Pesquisa e Defesa Paranormal e a nova ameaça a ser enfrentada é um mundo subterrâneo que ameaça erguer-se para tomar conta do planeta, por meio do exército dourado do subtítulo.

Nas HQs, Hellboy foi a primeira criação do desenhista Mike Mignola como autor, em 1994, como parte do selo Legend, da Dark Horse Comics. Com John Byrne redigindo os diálogos no começo, até Mignola pegar o jeito. ‘A Semente da Destruição’ foi a primeira minissérie do personagem (publicada aqui pela Mythos). Mignola passou a assinar os textos a partir da segunda minissérie e o sucesso que se seguiu levou Hellboy a sobreviver  até ao fim do selo.

Show de Bola
O jovem da favela que quer ganhar a vida dignamente como jogador de futebol é um ponto de partida tão clichê que só mesmo um diretor estrangeiro, como o alemão Alxander Pickl, ousaria fazer disso o ponto principal de um filme. ‘Show de Bola’ (Show de Bola/ Streets of Rio, Alemanha, 2008, estréia hoje em JP) é isso: Pickl veio ao Brasil e dirigiu Thiago Martins e Lui Mendes nesse drama.

Thiago Martins está em cartaz em outro filme no circuito pessoense: ‘Era uma Vez…’, de Breno Silveira. Ele é Thiago, que quer vencer na vida pelo futebol, driblando a vida difícil na favela e o tráfico de drogas, que coopta seus amigos. Um olhar do Brasil visto de fora.

Veja também  Vivendo em tela viva: mochileira cria diário de bordo em pinturas e expõe em JP