Decreto estabelece taxa de R$ 150 para fotografia profissional em prédios históricos de Areia

Visitas ao Teatro Minerva, ao Casarão José Rufino e ao Museu Casa Pedro Américo vão custar R$ 4,00.

No Teatro Minerva, no centro de Areia, o valor da pauta foi estabelecido em R$ 500,00 para grupos e companhias de fora da cidade

A visita aos prédios públicos históricos de Areia, no brejo da Paraíba, estão seguindo regras determinadas por um decreto assinado este mês pelo prefeito da cidade, João Francisco. Uma das novidades é a cobrança de taxa de R$ 150 para uso destes locais para fotos profissionais e R$ 100 para realização de eventos.

Também passa a ser cobrada taxa de 4 reais para acesso a locais como Teatro Minerva, Casarão José Rufino e Museu Casa Pedro Américo.

O decreto coloca em prática uma lei municipal de 2014 que não estava sendo aplicada. O objetivo é garantir a preservação dos espaços e fortalecer o Fundo Municipal de Cultura, que é para onde esse dinheiro vai ser destinado.

 

Pauta do teatro

No caso do Teatro Minerva, o valor da pauta foi estabelecido em R$ 500,00 para grupos e companhias de fora e de 10% do valor arrecadado na bilheteria para grupos da cidade de Areia. O objetivo é também fazer com que o espaço somente seja utilizado para atividades adequadas à estrutura, já que o teatro passou dois anos fechado e foi revitalizado e reaberto em 2017 pela Prefeitura Municipal de Areia depois que a atual gestão local conseguiu a concessão do espaço.

Veja também  ‘Temporada de Verão’: Mayana Neiva fala sobre série e como foi gravar com ator de “Elite”

Segundo o prefeito João Francisco, a ideia não é a de restringir o acesso aos prédios, mas o de preservar o correto uso dos equipamentos e de promover uma rede de fomento da cultura, da história e do turismo na cidade por meio da exploração dos seus prédios históricos. “A ideia não é nova, está na Lei Municipal de 2014 e não se fazia cumprir. Agora vamos fazer com que essa regulamentação seja cumprida para que se valorizem mais os nossos prédios e para que consigamos arrecadar dinheiro para o Fundo Municipal de Cultura, que vai reinvestir na cidade”, explicou.