Enredo sobre Fernanda Benvenutty vence Carnaval Tradição de João Pessoa

Bicampeã, Unidos do Roger leva o título no último carnaval de Benvenutty e no primeiro sem ela.

Na apuração das notas, integrantes da Unidos do Roger comemoram com estandarte com a foto de Fernanda Benvenutty (Foto: Secom-JP)
Na apuração das notas, integrantes da Unidos do Roger comemoram o título com estandarte com a foto de Fernanda Benvenutty (Foto: Secom-JP)

Um título histórico no Carnaval Tradição de 2020. Simbólico, também. Dado à escola de samba Unidos do Roger, do coração da ativista Fernanda Benvenutty, justamente no ano em que ela era a homenageada e na primeira edição após a sua morte, que aconteceu em 2 de fevereiro, a menos de um mês dos desfiles deste ano.

Benvenutty tinha 57 anos, era militante do movimento LGBTQI+ (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros) e tinha uma longa história tanto com a agremiação campeã desse ano, como com o próprio carnaval pessoense.

>> Unidos do Roger, Urso Batucada, Piratas e Africanos são os campeões do Carnaval Tradição 2020

Na época de sua morte, aliás, ela era a presidente da Unidos do Samba. A decisão de homenageá-la, inclusive, havia acontecido ainda em 2019, mas foi considerada como algo ainda mais importante após sua morte por complicações provocadas por um câncer no estômago.

Veja também  Caetano Veloso, Lana Del Rey, Priscilla Alcântara e mais: confira os lançamentos musicais da semana

Fernanda Benvenutty morreu no início de março (Foto: Silvia Torres/TV Cabo Branco)

O detalhe é que a Unidos do Roger, com o título de 2020, se sagrou bicampeã consecutiva. Isso significa que a escola do Roger foi campeã no último carnaval da vida de Fernanda Benvenutty e no primeiro após sua morte.

Como diz o samba-enredo que foi cantado na avenida e divulgado oficialmente um dia depois da morte da ativista, “Fernanda Benvenutty, seu legado é imortal”.

Ao longo da melodia, os compositores Rafael Nunes e Nininho do Pandeiro contam ainda a história da técnica em enfermagem que nasceu em Remígio, no Agreste da Paraíba, foi parteira, artista circense e que lutou pela conquista de direitos de várias comunidades da Paraíba e do Brasil.

À época de sua morte, a amiga Rejane Cristine falou sobre a ativista:

“Fernanda era muito dedicada, muito mãezona, amigona. Graças a Deus ela chegou a ver a nossa homenagem”, destacou.

Desfile na Duarte da Silveira da escola campeã (Foto: Reprodução TV Cabo Branco)