Cultura
16 de setembro de 2021
13:32

Gerardo Rabello: O jornal impresso é documento

Gerardo Rabello foi colunista social do JORNAL DA PARAÍBA por mais de uma década.

Matéria por Diogo Almeida

Gerardo Rabello foi colunista social do JORNAL DA PARAÍBA por mais de uma década. Neste aniversário de 50 anos do jornal, Gerardo fala sobre a importância da coluna social e o impacto deste espaço no periódico em relação às redes sociais. 

>> Veja a página especial dos 50 anos do Jornal da Paraíba

“A coluna social é onde pode se dar vazão às vaidades, onde [as pessoas] poderiam pontuar profissionalmente, socialmente e culturalmente. Era a maior vitrine que um profissional, um personagem, poderia ter para se consagrar dentro do circuito social, cultural e político”, diz o colunista. 

Para Gerardo, a função da coluna social no jornal, principalmente no impresso, era transformadora e avassaladora, uma vez que teve o auge num período anterior ao das redes sociais.

“Quem determinava, quem fazia a diferença, era nós, os colunistas. Na rede social todos nós podemos nos destacar da maneira que a gente quer, mas a gente não tem a fé de ofício de colocar algo real. Não vamos dizer que somos feios, somos chatos. Nas colunas, quem aparecia sempre tinha o aval, o carimbo do colunista, formador de opinião”, conta. 

 

O colunista completa a lembrança sobre a história dele com o Jornal da Paraíba comparando a coluna com a internet. “Aparecer na coluna de Gerardo significava pontuar, de uma forma que crescia no mercado. Nas redes sociais a gente faz isso, mas em uma velocidade menor. O jornal impresso é documento, documento que fica com carimbo. A rede social apaga”, completa.

Diogo Almeida

Jornalista, músico e RPGista, não necessariamente nesta ordem.

Leia também