Cultura
18 de março de 2022
11:06

Eu-mulher artista: conheça o trabalho de Luyse Costa

Paraibana é formada em história, mas se encontrou na ilustração, especialmente na área editorial. Luyse representou o estado como finalista do Brasil Design Award de 2021.

Matéria por Lara Brito e Luana Silva

Luyse Costa, de João Pessoa, é formada em história pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), mas foi na ilustração, especialmente na área editorial, que ela se encontrou enquanto profissional. A paraibana tem mais de 50 capas de livros ilustradas e foi finalista do final do Brasil Design Award de 2021, com ilustrações das capas da coleção Machado de Assis, da editora Martin Claret.

Luyse é a artista desta sexta-feira (18) da série “Eu-mulher artista”, do JORNAL DA PARAÍBA. Em comemoração ao mês da mulher, durante março, serão publicadas diversas histórias de artistas visuais paraibanas ou com atuação no estado, que trabalham nas áreas como pintura, escultura, fotografia, grafite, entre outras. O nome escolhido para a série faz referência ao versos de Conceição Evaristo, no poema “Eu-Mulher”.

Eu força-motriz.
Eu-mulher
abrigo da semente
moto-contínuo
do mundo”.

A artista Luyse Costa começou a ilustrar enquanto cursava história. Ela conta que gostava de fazer cartoons sobre seus amigos e de reproduzir fotos antigas do século XIX.

Em seu trabalho de conclusão de curso, Luyse uniu história e arte na biografia ilustrada de Anayde Beiriz, poeta paraibana. Hoje, ela é especializada na criação de capas de livros e concepção de projetos gráficos.

 

Sobre o Eu-mulher artista

Se pesquisarmos pintoras paraibanas no Google, todos os nomes que aparecem nas pesquisas são de homens. Mudando pintoras para escultoras, colagistas, muralistas, o problema permanece. Ao colocar “artistas visuais paraibanas” na mesma pesquisa o resultado é incipiente. No campo acadêmico, é difícil encontrar online bibliografias e trabalhos no campo das artes visuais que falam sobre artistas mulheres do estado. Nos museus, são poucas obras que trazem o nome de mulheres em sua autoria.

Segundo Luciana Gruppelli Loponte, a história da arte priorizou “um olhar masculino, branco, europeu e heteronormativo.” A luta por visibilidade surge no Brasil principalmente durante os anos 70 e 80, com a segunda onda do feminismo chegando no país. Porém, nessa época o Nordeste ainda seguia sob uma ótica coronelista muito forte e o mais importante era continuar viva e segura. Aqui, fazemos questão de relembrar da história da poetisa Violeta Formiga, brutalmente assassinada por seu marido no dia 21 de agosto de 1982, por conta de um ciúmes e machismo que fazia com que ele a visse como um mero objeto de sua posse.

É verdade que o cenário vem mudando. Nos últimos anos, a Paraíba teve um crescimento de mulheres produzindo arte e expondo, principalmente com o auxílio da gestão pública através de editais. Entretanto, é uma produção subvalorizada que ainda tenta reescrever e reaver a história de muitas artistas que passaram pelo estado e que seguem com nomes apagados e não tão marcados na história quanto nomes masculinos.

Porque não falamos sobre arte de mulheres produzidas no estado? Porque não temos um nome de referência quando se fala sobre arte visual? Porque, quando decidimos fazer essas série, não conseguíamos pensar de cabeça em uma pintora, desenhista, escultora, paraibana igual eu penso em nomes nacionais como Tarsila do Amaral, Anita Malfatti e Lygia Pape?

Conforme a mestra em artes visuais Clara Nogueira de Carvalho, na capital e no estado há a quase inexistência de mulheres no campo das artes:

“Na Paraíba, somente em 1920, por exemplo, uma mulher artista, a pintora Amelinha Theorga, aparece nas páginas de jornais da época suscitando alguma crítica, mas é posteriormente esquecida por ter se casado e esse espaço de “amadora” das artes ter ficado restrito somente ao tempo de solteira”, escreve.

Diante desse cenário, o JORNAL DA PARAÍBA propõe uma chance que se conheça as artistas mulheres do estado, porque a arte é, sobretudo, uma investigação do mundo. Se podemos estudar e entender melhor nosso redor, as pautas e questões que movem a sociedade, podemos mudar. Mas não só isso, a arte tem um poder catalizador de expressão. Expressão essa que é válida e necessária apenas porque exprime, porque sentimentos são válidos e indagar é preciso. É somente olhando para si que podemos entender o outro. É somente ouvindo mulheres, consumindo produções de mulheres, incentivando sua produção e centralizando seu olhar e vivências em pautas de mulheres que podemos, talvez, fazer com que o ideal feminista não seja uma ideia utópica e sim uma realidade material.

Vídeos
10:58

Eu-mulher artista: Luyse Costa

Matéria por Diogo Almeida