Breno Silveira morreu sem realizar seu grande projeto, o filme sobre Roberto Carlos

Foi um final de semana triste para o cinema brasileiro e para todos os admiradores de Breno Silveira. O cineasta de 58 anos morreu no interior de Pernambuco, no set do seu novo filme, Dona Vitória. Breno teve um infarto fulminante e chegou morto ao hospital.

Nascido em Brasília, formado em cinema na França, Breno Silveira se projetou na chamada “retomada”. Lembram da “retomada”? Foi uma espécie de renascimento do cinema brasileiro, a partir de meados dos anos 1990, depois que a nossa produção teve sua morte decretada pelo presidente Collor e seu secretário de Cultura, o paraibano Ipojuca Pontes, um autêntico traidor do cinema nacional.

Breno foi diretor de fotografia de Carlota Joaquina. Depois, de Eu, Tu, Eles. Na sua estreia na direção, em 2005, levou milhões de espectadores aos cinemas com 2 Filhos de Francisco, que conta a história do começo da carreira da dupla Zezé Di Carmargo e Luciano.

Você não gosta de duplas sertanejas? Você não gosta da dupla Zezé Di Camargo e Luciano? Não importa. O filme de Breno se sobrepõe a isso. Fala de música brasileira. Fala de gente que conquistou o sucesso em condições tão adversas. Fala de pais e filhos.

Veja também  80 músicas para festejar os 80 anos de Gilberto Gil (II). Aniversário é no domingo, 26 de junho

Música brasileira. A conquista do êxito. Pais e filhos. Também são temas de Gonzaga – de Pai Para Filho, que conta com muita sensibilidade a história de Luiz Gonzaga e da sua complicada relação com Gonzaguinha, seu filho adotivo.

Há muita música no cinema de Breno Silveira. E há também essa insistência no tema “pais e filhos”. Vejam À Beira do Caminho. O filme não existiria sem a força da música de Roberto e Erasmo Carlos. E o garoto a quem o motorista de caminhão dá carona está à procura de quem? Do pai.

No noticiário sobre a morte de Breno Silveira, os veículos demoraram a lembrar do grande projeto que ele não terminou: o filme sobre a vida de Roberto Carlos. Estava em gestação entre Breno, Nelson Motta e o próprio artista, que prometeu contar tudo. Ele parecia ser o cara certo para assinar esse filme.