Marilyn Monroe morreu há 60 anos. A coluna indica cinco filmes e traz música de Elton John para a atriz

Nesta quinta-feira (04), faz 60 anos da morte de Marilyn Monroe. A atriz tinha 36 anos e uma carreira de pouco mais de uma década. A soma do que era enquanto estava viva com aquilo no que se transformou depois de morta a transformou num gigantesco ícone pop do século XX.

Marilyn era uma grande atriz ou simplesmente uma belíssima mulher? Pouco importa. O que interessa é que, preparada para atuar por um mestre da formação de atores, seu amigo Lee Strasberg, ela protagonizou grandes filmes sob a batuta de grandes diretores.

Monroe foi dirigida por John Huston e Billy Wilder, por Howard Hawks e Joseph L. Mankiewicz, por Otto Preminger e George Cukor. Duas vezes por Huston, por Wilder e por Hawks. Uma trajetória invejável.

Mulher de Joe DiMaggio e de Arthur Hiller, amante dos irmãos John e Robert Kennedy, Marilyn teve uma vida tumultuada, mas, sobretudo, uma existência atormentada. Era tão linda quanto infeliz. Se não foi assassinada, é quase certo de que se matou.

Veja também  Isto é o povo! Um imbecil! Um analfabeto! Um despolitizado!

Marilyn Monroe não só se transformou num gigantesco ícone pop do século XX. Sua imagem resistiu ao século XXI.

COMO UMA VELA AO VENTO. Elton John e Bernie Taupin compuseram uma música em homenagem a Marilyn Monroe. Candle in the Wind está no álbum Goodbye Yellow Brick Road, lançado em 1973. Segue um registro ao vivo feito num show de Elton John em Nova York.

Fecho a coluna com uma sugestão: cinco filmes estrelados por Marilyn Monroe. Se fosse utilizar o velho sistema de cotações, daria cinco estrelas para todos eles. São excelentes.

O SEGREDO DAS JOIAS, 1950

De John Huston

OS HOMENS PREFEREM AS LOIRAS, 1953

De Howard Hawks

O PECADO MORA AO LADO, 1955

De Billy Wilder

QUANTO MAIS QUENTE MELHOR, 1959

De Billy Wilder 

OS DESAJUSTADOS, 1961

De John Huston