Após duas semanas fora do ar, CNPq informa que acesso ao Lattes foi reestabelecido

No entanto, ainda não é possível fazer atualizações, mas estão disponíveis as opções de impressão e download.

Sistemas do CNPq estão fora do ar há quatro dias. Foto: CNPq (Herivelto Batista/MCTIC/Divulgação)

Depois de passar quase duas semanas fora do ar, o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), ligado ao Ministério da Ciência e Tecnologia, informou na terça-feira (3) que o acesso parcial aos sistemas e plataformas com currículos de pesquisadores no Brasil foi restabelecido. No entanto, ainda não é possível fazer atualizações, mas estão disponíveis as opções de impressão e download.

O problema, que retirou do ar todos os seus sistemas e plataformas, foi identificado no dia 23 de julho. Um dos que ficaram inacessíveis foi a Plataforma Lattes, que reúne quatro sistemas onde cientistas, professores e pesquisadores do Brasil devem registrar seus currículos para conseguirem bolsas de pesquisa, vagas em universidades e participarem de editais e concursos.

O CNPq garante que o pagamento das bolsas não será afetado e não depende da restauração completa dos sistemas.

“O trabalho de restauração dos acessos ainda está em andamento, incluindo novas atualizações da base de dados, que serão feitas nos próximos dias, incluindo, nos currículos, as fotos e o número de citações”, informou o CNPq em uma rede social.

A consulta ao currículo é possível por meio do acesso direto ao currículo a partir do ID Lattes, escrevendo, no campo de endereço do seu navegador: http://lattes.cnpq.br [número do ID], ou por meio de busca textual pelo endereço: http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual.

Veja também  UFPB abre seleção unificada com mil vagas para auxílios estudantis

A base de dados conta com atualizações feitas até as 18h do dia 23 de julho, quando começou a indisponibilidade dos sistemas. Não foi informada a causa do problema. De acordo com o CNPq, não foi identificada nenhuma perda de dados.

O CNPq, a agência federal de fomento à pesquisa, tem a maior e mais importante plataforma científica do Brasil, reunindo toda a produção cientifica nacional, como projetos, pesquisas e trabalhos desenvolvidos por pesquisadores e universidades brasileiras. O órgão também é responsável pelo pagamento de bolsas a cientistas no país.