UFPB retoma nesta sexta discussão da proposta de bonificação estadual para ingresso pelo Enem

Proposta prevê acréscimo de 10% na nota do Enem para os candidatos do ensino médio da PB que pleiteiam vaga por meio do Sisu.

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão da UFPB (Consepe) retoma, nesta sexta-feira (24), a discussão para analisar a proposta de implantação de bônus regional para ingresso de alunos. A política acadêmica visa aumentar o número de estudantes da Universidade que vive na Paraíba e, consequentemente, diminuir a evasão de alunos formados. A reunião extraordinária do Consepe começou no dia 9 de setembro, mas foi suspensa por dez dias. 

Uma audiência pública na última segunda-feira (20) discutiu a proposta de bonificação regional, inclusive com estudantes e outras pessoas da comunidade acadêmica que demonstraram interesse em participar.

Em resumo, a ideia é que estudantes que tenham concluído o ensino médio em escolas públicas ou privadas localizadas em municípios paraibanos sejam beneficiados com a política. Eles receberiam uma bônus na nota (do Enem) de 10% (proposta inicial).

Participação e evasão 

De acordo com o reitor, os estudos realizados para elaborar a minuta para implantação do bônus regional, com dados dos últimos cinco anos, revelam que a representação de estudantes de fora chega a ser de 60%, não só no curso de medicina.

Veja também  Programa oferece bolsas para estudantes da UFCG em vulnerabilidade socioeconômica

“Pudemos ver que os estudantes vindos de outros estados regressam à região de origem. Temos a Paraíba sendo invadida por estudantes de diversos outros estados, ocasionando também dano pela evasão de profissionais qualificados. Nesse sentido, começamos a fazer cálculos para saber qual seria a bonificação mínima para reparar essa defasagem, e elaboramos uma minuta que prevê a bonificação inicial de 10%”, explicou o reitor, completando que a minuta ainda será apreciada pelos Conselhos da Universidade e que prevê a possibilidade de aumento da porcentagem de bonificação após avaliação anual.

O reitor lembrou que, posteriormente, se reavaliará essa política, inclusive vendo seu efeito na distribuição de estudantes oriundos da Paraíba e a futura avaliação sobre o impacto desta política no mercado de trabalho do Estado.