Jogadores do time Campinense ameaçam greve

Com o elenco em greve desde a última sexta-feira, alguns jogadores garantem que não entram em campo contra o CSP se o pagamento dos salários não for regularizado.

Rostand Melo
Do Jornal da Paraíba

A boa campanha do Campinense na Copa Paraíba poderá ser prejudicada pela crise financeira vivida pelo clube, adiando ainda mais o sonho da conquista de uma vaga para a Copa do Brasil do próximo ano.

Com o elenco em greve desde a última sexta-feira, alguns jogadores garantem que não entram em campo contra o CSP se o pagamento dos salários não for regularizado antes da partida, válida pelo última rodada do returno.

A diretoria garantiu que o pagamento deverá ser liberado ainda hoje, mas se isso não acontecer os atletas prometem manter o movimento de paralisação. “Nós voltamos a treinar com o dinheiro na conta. A possibilidade de ninguém jogar contra o CSP existe, mas é uma decisão que cabe ao grupo. É uma conversa do grupo, o que for decidido pelo grupo vai ser feito”, garantiu Gaúcho. No último sábado, a diretoria começou a efetuar o pagamento dos funcionários do clube, mas ainda não regularizou a situação dos atletas.

O presidente Rômulo Leal alega que o atraso foi motivado pela greve dos bancos, que atrasou o depósito de uma cota de patrocínio fechada com uma empresa multinacional, que entrará em vigor só em novembro. “O nosso trabalho está sendo feito. O trabalho da comissão técnica e dos jogadores dentro de campo está sendo de muita superação e nós entendemos e reconhecemos, o que nos traz muito mais responsabilidade. À medida que o grupo corresponde dentro de campo a responsabilidade para ir em busca de resolver as questões aumenta”, comentou Leal.

Veja também  Sousa faz valer o mando de campo, vence o CSA e estreia bem na Copa do Nordeste

Na tarde de ontem, não houve treino no Renatão. Alguns jogadores participaram apenas de atividades de musculação para manter a forma. “Não é possível a gente estar com o título na mão e o clube não ser capaz de pagar a gente e falar que a culpa é da greve dos bancos. A greve foi só de 15 dias, mas estamos há quatro meses sem receber”, protestou Gaúcho.

Apesar do risco de W.O. ser considerado praticamente impossível pela comissão técnica, que poderá usar os atletas mais jovens da base, qualquer desfalque poderá ser ‘fatal’ num jogo considerado decisivo. Isso porque será o confronto direto entre as duas equipes que estão na ponta da tabela, com chances de conquistar o segundo turno e disputar a final com o Botafogo, que venceu a primeira etapa.

A Raposa está na liderança isolada com nove pontos, podendo ainda ser alcançada pelo CSP e Botafogo, ambos com seis pontos.