Yasmin revela atenção especial de Pia com a defesa da Seleção antes dos amistosos contra a Argentina

Lateral vive também a expectativa por sua primeira partida com o time principal do Brasil e encara bem o desafio de enfrentar as hermanas

Divulgação: Reprodução / CBF TV

O trabalho da seleção brasileira feminina de futebol já tem um ponto a ser trabalhado com mais afinco nesses primeiros encontros para preparatórios. É pela defesa que a treinadora Pia Sundhage e sua comissão técnica vão buscar dar novos rumos ao grupo a partir dos amistosos contra a Argentina, nos dias 17 e 20 deste mês, ambos na Paraíba. Essa pista foi dada por Yasmin, que está integrando pela primeira vez o elenco canarinho.

A lateral-esquerda, que atua no Corinthians, é uma das seis atletas que vão debutar com a camisa do Brasil nos testes agendados diante da Argentina. Dentre as muitas percepções que vão se formando em sua primeira experiência de convocação, ela não escondeu a proposta que a comissão técnica tem imposto para todas as jogadoras sobre o sistema defensivo. Isso porque os encontros para estudos estão, de fato, dando ênfase à formação de uma retaguarda sólida e com pouca margem para erros.

Na prática, no primeiro treino com bola no Estádio Almeidão, em João Pessoa, a atividade foi voltada quase integralmente para esses esses ajustes.

— Eles (a comissão técnica) têm reforçado bem essa questão da parte defensiva. Tem sido falado muito, nas reuniões e nos vídeos que nos mostram. Ontem mesmo a gente fez um trabalho específico para a linha defensiva. Hoje provavelmente a gente também vá fazer. É um ponto que é bem reforçado. Primeiro passo é a gente defender bem para, só depois, ter a posse de bola e atacar — explicou.

Nas Olimpíadas de Tóquio, o Brasil só foi vazado em uma partida. Contra a Holanda, na rodada #2 da primeira fase, a seleção sofreu três gols no empate em 3 a 3. Fora isso, as comandadas de Pia Sundhage conseguiram segurar o saldo e sair de campo sem que suas redes fossem balançadas. A eliminação nas quartas de final, por exemplo, aconteceu nos pênaltis após o tempo normal e a prorrogação terminarem com empate sem gols.

Sobre a sua primeira experiência vestindo a camisa verde e amarela logo em um dos maiores clássicos do futebol mundial, Yasmin destacou que o momento é para amadurecer todo o trabalho coletivo, mesmo em se tratando de jogos amistosos. Por isso, a jogadora tem demonstrado foco para aprender o máximo que puder e responder dentro de campo.

Veja também  Ceaf-PB realiza treino integrado de arbitragem e destaca Outubro Rosa

— Neste período pós-olímpico e já de cara você pegar a Argentina… é um duelo com uma rivalidade enorme. Acho que vai ser uma boa disputa, um bom jogo de preparação para as duas seleções. Essa sequência agora de preparação, já começando com a Argentina… E aí a gente vai, trabalha, amadurece e se prepara bem para as próximas oportunidades que vierem — disse.

O primeiro encontro entre Brasil e Argentina acontece nesta sexta-feira, às 16h, no Amigão, em Campina Grande. O segundo confronto está marcado para a próxima segunda-feira, no mesmo horário, só que no Almeidão, em João Pessoa.

Seleção feminina; Seleção feminina João Pesso
Foto: Talita Gouvêa / CBF

Veja outros trechos da coletiva de Yasmin

 

EXPECTATIVA COM PRIMEIRA CHANCE NA SELEÇÃO
“É maravilhoso ter uma experiência com tantas atletas. É uma questão de aprendizado mesmo, de que a gente está para aprender e viver esse momento. Eu posso sugar isso de tantas estrelas, de tantas atletas boas. Então eu posso sugar isso para o meu aprendizado e para o meu amadurecimento também”

SOBRE NÃO JOGAR AS OLIMPÍADAS
“Foi um período que realmente gerava aquela ansiedade e expectativa. Mas eu não podia fazer nada que não fosse trabalhar. Aproveitei bastante para continuar o meu amadurecimento. Neste período eu realmente amadureci muito dentro e fora do jogo. Quando você está em um momento bom, você espera uma convocação. Mas eu tenho total convicção de que as coisas têm seu tempo. Agora eu sinto que ele pode ter chegado”

REENCONTRO COM COMPANHEIRAS DAS SELEÇÕES DE BASE
“Há cinco anos, nós estávamos juntas no sub-20. Estar juntas de novo é muito importante, por já nos conhecermos, pela troca e por estarmos felizes umas pelas outras. Vejo um momento agora de me situar um pouco com relação ao trabalho, entender o plano de jogo, todo planejamento deste novo ciclo de competições. Quero ir bem e poder ter êxito em todas as coisas que vou fazer aqui”