Entre Linhas

Análise: derrota para o Floresta e quinta eliminação em 2021 são sequelas do extracampo no Treze

Torcedor que esteve nas arquibancadas do Amigão após 19 meses de ausência viu, de forma presencial, o Galo voltar a jogar mal e cair diante dos cearenses.

Treze x Floresta | Foto: Ronaldo Oliveira / ASCOM Floresta EC

Treze em 2021: 32 jogos, seis vitórias, 15 empates e 11 derrotas. Esses são os números do Galo na melancólica temporada, que teve seu ponto final decretado na noite dessa terça-feira, quando a equipe do técnico Welington Fajardo, em partida válida pela pré-Copa do Nordeste de 2022, foi derrotada pelo Floresta por 3 a 1, no Estádio Amigão. Foi diante de uma pequena parcela de torcedores, que retornaram às arquibancadas para acompanhar o seu clube de coração após 19 meses de afastamento, que o Alvinegro da Borborema amargou a sua quinta eliminação apenas neste ano. Após a partida, as acintosas declarações dadas pelo goleiro Jeferson confirmaram as suspeitas da torcida de que os verdadeiros problemas apresentados pelo time dentro de campo eram um mero reflexo dos acontecimentos nos bastidores do clube.

Quem teve a oportunidade de acompanhar o duelo contra os cearenses viu um Treze, mesmo após mais de 20 dias de intertemporada, repetir os mesmos erros apresentados ao longo de todo o ano: falhas primárias de marcação, pouca efetividade na construção de jogadas e escasso poderio ofensivo. Muito por isso, o Galo foi presa fácil para o Verdão da Vila, que dominou a equipe de Campina Grande durante a esmagadora maioria da partida. 

| Foto: Ronaldo Oliveira / ASCOM Floresta EC

O resultado, apesar de amargo, já era de certa forma esperado pelo torcedor. O que certamente não se esperava era uma declaração tão forte de um atleta como a concedida pelo goleiro Jeferson logo após o apito final da partida, escancarando o péssimo momento que o time do bairro do São José vive fora de campo, com salários atrasados e situação financeira delicadíssima. Em algum momento do seu desabafo, em entrevista exclusiva à Rádio CBN de Campina Grande, o arqueiro trezeano chegou a afirmar que o torcedor se encontra em uma posição injusta por não saber da real situação que atravessa o clube, principalmente no que tange às questões de cunho financeiro. 

O torcedor, de fato, não sabe das movimentações internas no Estádio Presidente Vargas. No entanto, a massiva legião de alvinegros viu cair por terra a esperança de, ainda no turbulento ano de 2021, ver seu clube, como já fez em muitos outros momentos, ressurgir das cinzas. Com calendário modesto para a próxima temporada e com muita coisa a ser ajustada nos bastidores até o início do Campeonato Paraibano, única competição que disputará em 2022, o Galo deverá ter pela frente uma árdua missão de manter viva a chama da paixão do seu torcedor, historicamente a principal força motriz galista para voar rumo às glórias de que, hoje mais do que nunca, tanto precisa.