Entre Linhas

Jejum de gols permanece, e desafio do Botafogo-PB aumenta na Série C

Belo tem média de 0,8 gol marcado por partida na Terceirona e desempenho segue abaixo do necessário para conquistar o acesso.

(Foto: Marlon Costa / Pernambuco Press)

O primeiro turno do quadrangular do acesso da Série C do Campeonato Brasileiro já foi, e o Botafogo-PB não conseguiu marcar um gol sequer nos três jogos que disputou. Até aqui, foram dois empates fora de casa e uma derrota em casa, o que torna a tão sonhada conquista da vaga para a Série B de 2022 cada vez mais complicada. A média de 0,8 gol por jogo na Terceirona tem assustado o torcedor, que sabe que ainda é possível reagir. No entanto, o rendimento mais recente, que foi o empate sem gols com o Criciúma, deixou uma impressão bem decepcionante. Isso porque o time contou com dois jogadores a mais em boa parte da segunda etapa e não conseguiu oferecer perigo aos catarinenses.

Nesse sábado, o Botafogo-PB visitou o Criciúma no Estádio Heriberto Hulse, em Santa Catarina. A partida terminou empatada em 0 a 0, o que poderia ser considerado positivo para os botafoguenses, já que se trata de um empate fora de casa contra uma equipe bastante tradicional. No entanto, o resultado foi amargo, já que os paraibanos atuaram em boa parte do confronto com dois jogadores a mais em campo. Nem mesmo a vantagem numérica melhorou o apetite do ataque alvinegro.

Antes enfrentar o Criciúma no quadrangular do acesso, o Botafogo-PB jogou duas vezes, estreando com derrota para o Ituano por 1 a 0, numa partida disputada em pleno Estádio Almeidão, em João Pessoa, e depois empatou em 0 a 0 com o Paysandu no Estádio da Curuzu, em Belém. Nessas duas primeiras rodadas, o Belo chegou mais próximo de marcar, criando mais chances que os paulistas de Itu, apesar do revés, e até marcando com Welton diante do Papão, num lance anulado pela arbitragem após marcação de impedimento.

Criciúma x Botafogo-PB, Série C quadrangular do acesso
Mesmo com dois jogadores a mais, Botafogo-PB não saiu do zero contra o Criciúma (Foto: Celso da Luz / Criciúma)

Nesta edição da Série C, o ataque alvinegro realmente tem sido um problema. São 21 partidas disputadas e 17 gols marcados, uma média de apenas 0,8 gol marcado por jogo. A frieza dos números já comprova que o ataque tem problemas, mas quando se acompanha os confrontos, fica mais perceptível a inoperância da criação e principalmente do botafoguense. Diante do Tigre na noite desse sábado, o time produziu tão pouco que ficou difícil de perceber que a equipe catarinense possuía um e posteriormente dois atletas a menos.

Dois pontos precisam ser destacados para constatar a má fase do Alvinegro da Estrela Vermelha no ataque. O primeiro é a ausência da principal contratação do time para o setor, Bruno Gonçalves, que sofreu uma grave lesão na última partida de pré-temporada do Botafogo-PB, que foi contra o Náutico. Naquela ocasião, o camisa 9 do Belo rompeu um ligamento do joelho direito, sendo necessária a realização de uma cirurgia, fato que resultou num longo processo de recuperação. Ainda existe a expectativa para que o técnico Gerson Gusmão conte com o jogador para a reta final do quadrangular.

O outro aspecto é a falta de alguém que ocupe a vaga de Bruno Gonçalves, jogador que nem sequer estreou pelo Belo. Na temporada, a diretoria alvinegra primeiro apostou em Rafael Oliveira, jogador que estava muito aquém do que um dia foi durante a sua carreira. O mau desempenho resultou numa rescisão de contrato depois de apenas quatro partidas. O 2021 do ataque alvinegro ainda teve nomes como Ramon Tanque, Sávio, Roniel, Cesinha e Thiago Santos, mas nenhum se mostrou capaz de seguir para a disputa da Série C.

Bruno Gonçalves, atacante do Botafogo-PB
Contratado para vestir a 9 do Botafogo-PB, Bruno Gonçalves ainda não conseguiu estrear pelo clube (Foto: Pedro Alves / ge)

Por sinal, na Terceirona, a bola da vez é Juba, muito criticado pelo torcedor, mas que tem sido bastante utilizado por Gerson Gusmão. O jogador acumula 17 partidas pela equipe, com dois gols marcados, e atuações que não conseguem convencer os botafoguenses, tanto que se tornou suplente na partida contra o Criciúma, sendo escalado na segunda etapa.

Além dele, o clube também contratou o experiente atacante Éderson, que foi artilheiro do Brasileirão de 2013 pelo Athletico-PR. No entanto, o tempo e a falta de encaixe no time do Belo estão pesando para o cearense, que marcou apenas uma vez com a camisa alvinegra.

Na contramão de praticamente todas as apostas do Botafogo-PB na temporada está Welton, artilheiro da equipe na temporada, com sete gols marcados. O jogador é o único que destoou na Série C, tem quatro gols marcados, o que, infelizmente para a torcida, ainda é pouco para quem tanto almeja uma vaga na Série B de 2022.

Apesar disso, não dá para dizer que o problema está apenas no técnico Gerson Gusmão. Afinal de contas, o treinador gaúcho já tentou modificar a equipe diversas vezes, mas o baixo poderio ofensivo persiste.
Welton Felipe, atacante Botafogo-PB
Welton Felipe é o destaque ofensivo do Botafogo-PB na temporada, mas só isso não é o suficiente para conquistar o acesso (Foto: Talita Gouvêa)
Restam apenas três jogos para o fim do quadrangular do acesso da Série C para o Botafogo-PB. Sem pensar nas circunstâncias, os empates conquistados fora de casa — contra Paysandu e Criciúma — foram bons para seguir na caça pelo acesso, o lado negativo foi mesmo a derrota em casa para o Ituano.
Para se inserir, de fato, nessa disputa por uma vaga entre os dois primeiros colocados, o Belo vai ter pela frente duas partida no Almeidão, a primeira já no próximo sábado, dia 23, contra o Criciúma. Depois disso, no dia 31, o Alvinegro vai receber o Paysandu. Se conseguir encerrar o jejum, colocar a bola nas redes e vencer os confrontos, o Botafogo-PB vai para a última rodada, fora de casa, contra o Ituano, bem cotado na disputa pela vaga na Segundona.
Gerson Gusmão, técnico do Botafogo-PB
Gerson Gusmão e o complicado desafio de tornar o Botafogo-PB mais competitivo no quadrangular do acesso da Série C (Foto: Guilherme Drovas / Botafogo-PB)
Até lá, Gerson Gusmão e os seus comandados vão precisar repetir o que conseguiram no primeiro turno da primeira fase, quando lideravam o Grupo A e conseguiam marcar mais gols em suas partidas. Por sinal, apesar da reportagem evidenciar o baixo rendimento do ataque alvinegro, a defesa da equipe paraibana segue com um bom desempenho, tendo sofrido apensar 12 gols em 21 jogos.
A Série C está se afunilando, e, por causa da falta de gols em seus jogos, o Botafogo-PB não tem conseguido mostrar que merece estar entre os 40 principais times do Brasil em 2022.