Jornalista analisa o que mudou nos festejos juninos

Fernando Moura, estudioso da cultura popular e biógrafo do paraibano Jackson do Pandeiro, conversa sobre as tradições do São João e o que mudou com o passar dos tempos.

Karoline Zilah

“Olha pro céu, meu amor. Vê como ele está lindo! Olha pr’aquele balão multicor, como no céu vai sumindo…”.

O balão imortalizado nos versos da música de Luiz Gonzaga, que hoje simboliza a abertura dos festejos juninos em Campina Grande, já não brilha mais no céu nordestino. Das fogueiras, as chamas podem até continuar queimando nas cidades do interior, mas já não têm a mesma vivacidade nas cidades grandes, tomadas pelo asfalto.

Clique aqui para ler mais notícias de São João

Enquanto isso, os acordes inflamados das guitarras elétricas que imperam no rock agora compõem os novos ritmos eletrônicos do forró e disputam com o triângulo, a zabumba e a sanfona dos trios pé-de-serra. A mesma energia explosiva concorre nos salões de dança com o ritmo mais preguiçoso e aconchegante do arrasta-pé.

Até parece que estamos falando de uma festa diferente, mas estes elementos ainda são fundamentais para o São João. É que os períodos juninos de hoje apresentam diferenças, “mutações”, resultando em uma nova roupagem com um caráter mais comercial, segundo analisa o jornalista Fernando Moura, estudioso da cultura popular e biógrafo do ritmista paraibano Jackson do Pandeiro.

Ele lançou em 2001, pela Editora 34, o livro “Jackson do Pandeiro: O Rei do Ritmo”, em co-autoria com Antônio Vicente.

“O ser humano se modifica. Com ele, evidentemente, as tradições se renovam e se adaptam”, comenta. Ele conversou com o Paraíba1 sobre os costumes que foram mantidos, os que foram transformados e aqueles que estão sendo extintos da cultura nordestina na época do São João.

Música

Sem precisar ir muito longe na análise, a música é o primeiro quesito criticado como mudança evidente nas comemorações do São João de ontem e de hoje. Com a invasão do chamado “forró de plástico”, ou “eletrônico”, Fernando considera que houve uma “alteração para pior” no que diz respeito à qualidade da música e à programação das festas.

“O forró de plástico não reflete a nossa arte”, explica, ressaltando que, em sua opinião, a população tem uma certa parcela de culpa por absorver o estilo musical e exigir que estes tipos de banda estejam nos palcos das festividades nos municípios paraibanos.

Enquanto algumas cidades resolveram abrir espaços em suas agendas de São João para o forró eletrônico, como Campina Grande e Patos, outras restringiram os shows às manifestações que valorizam a cultura tradicional.

Veja também  Entrevista: Bixarte, cantora e compositora, conta como começou e fala sobre ser uma travesti negra na arte; assista

É o exemplo de João Pessoa, que este ano homenageia os 90 anos de nascimento de Jackson do Pandeiro, e de Bananeiras, onde o clima é mais regional. A Prefeitura até fez uma brincadeira e anunciou que é proibido tocar forró de plástico ou a axé music. A ordem é tocar exclusivamente o “ôxente music”.

Fogueira e balão

A fogueira e o balão são dois dos costumes que, mesmo proibidos em algumas cidades, ainda são praticados. “Até por uma questão de segurança ecológica e ambiental, estes ícones das festas juninas estão, aos poucos, desaparecendo dos ritos populares”, explica Fernando.

Hoje, os balões remanescem apenas como peças decorativas. É que a prática de soltar balões é proibida por lei devido aos riscos de incêndios.

Já as fogueiras eram amplamente utilizadas principalmente pelos agricultores como um ritual para livrar as plantas e as colheitas de maus espíritos que poderiam impedir a fertilidade. Elas ainda são permitidas, mas com restrições. Na Capital, a lenha só pode ser comercializada em locais autorizados pelo Ibama e pela Sudema.

Já em Campina Grande, onde a tradição é mais forte, os proprietários de imóveis localizados em ruas de asfalto ou calçamento continuam proibidos de fazer fogueiras. A desobediência pode gerar multa de até R$ 5 mil.

Quadrilhas

Historicamente, a quadrilha seria uma dança originada nos salões aristocratas franceses. No Brasil, consagrou-se nas festividades de São João como uma brincadeira simbólica, que representa um baile em comemoração a uma casamento.

Segundo o jornalista Fernando Moura, a quadrilha é um dos elementos do São João que se renovou. Muitas adaptações foram percebidas com o passar dos tempos. As quadrilhas seriam, hoje, estilizadas e preparadas com finalidades comerciais, os festivais.

“Elas são tratadas hoje mais como um espetáculo do que como uma brincadeira. O ritmo, que antes era o arrasta-pé, acelerou. A indumentária e a cenografia são completamente diferentes”, ressalta Moura. Ainda segundo ele, o “puxador” do grupo de dança hoje também exerce funções adaptadas.

“O público jovem fez uma adaptação ajustada à sua contemporaneidade e o hábito acabou se tornando atrativo até por se tratar de uma competição”, complementa. As mudanças seriam tantas que, mesmo se tratando de uma atividade secular nordestina, é possível perceber diferenças entre as quadrilhas atuais e as de 10 anos atrás.