DJ Ivis vira réu na Justiça por agressões contra ex-mulher Pamella Holanda

Agressão foi registrada em vídeo e denunciada pela ex-mulher no início do último mês de julho.

Foto: reprodução

O Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) informou, nesta segunda-feira (16), que Iverson de Souza Araújo, o DJ Ivis, tornou-se réu pelas agressões cometidas contra a ex-mulher Pamella Holanda. O cantor foi indiciado pela Polícia Civil do Ceará no fim do mês de julho e a denúncia do Ministério Público do Ceará foi aceita pela Justiça.

Gilmar Mendes rejeita pedido de liberdade apresentado por DJ Ivis ao STF

No último sábado (14), Ivis completou um mês detido em decorrência das agressões cometidas. Os crimes foram registrados em vídeo e denunciados pela ex-mulher, no início do último mês de julho.

Ele está preso em uma área de triagem no presídio Irmã Imelda Lima Pontes, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF). Conforme a Secretaria da Administração Penitenciária do Ceará (SAP), ele está em uma situação especial de segurança para que seja garantida a integridade física, uma vez que o caso teve grande repercussão.

Em nota, o tribunal afirmou que “a denúncia, ofertada pelo Ministério Público [do Ceará], já foi recebida pela Justiça estadual, que determinou a citação do acusado”.

O processo tramita em segredo de Justiça na Vara Única Criminal de Eusébio e, segundo o TJCE, “mais informações não podem ser repassadas por conta do sigilo do processo”.

Veja também  UFPB está com inscrições abertas em chamada para concessão de computadores

Entenda o caso envolvendo DJ Ivis

O cantor paraibano DJ Ivis foi preso no dia 14 de julho, em Fortaleza, no Ceará, após os vídeos de agressões contra a ex-mulher, Pamella Holanda, serem divulgados por ela nas redes sociais.

Nos vídeos é possível perceber que a vítima leva chutes, socos e puxões de cabelo durante uma briga do casal. Pamella fez o Boletim de Ocorrência em 3 de julho na delegacia da cidade de Eusébio, na Grande Fortaleza.

Pamella saiu do primeiro depoimento, realizado no dia 12, com a documentação necessária para que, em 30 dias, um novo exame de corpo de delito seja realizado com relação às agressões, de acordo com Facó.