Acidentes em vias públicas podem gerar indenização por danos morais e materiais, diz advogado

De acordo com o advogado Antônio Neto, em casos de acidentes em vias públicas, é configurada responsabilidade civil.

Carro sendo retirado da cratera que se formou na Avenida Pedro II, em João Pessoa. Foto: Semob-JP/Divulgação

Nesta sexta-feira (3), o asfalto da Avenida Pedro II, em João Pessoa, cedeu e um carro caiu em uma enorme cratera que se abriu. Duas pessoas ficaram feridas. De acordo com o advogado Antônio Neto, em casos de acidentes em vias públicas, é configurada responsabilidade civil e, portanto, a administração pública deve se responsabilizar pelos danos causados.

Ele explica que em casos de acidentes que ocorram por problemas em vias públicas municipais, cabe ao município reparar os danos. O mesmo ocorre para as vias estaduais, cabendo ao Governo do Estado a responsabilização. As vítimas podem, portanto, “pleitear uma indenização tanto em razão dos danos materiais, quanto pelos danos morais nos casos em que haja algum dano à vida daquela vítima”, explica Antônio Neto.

Para se configurar responsabilidade civil, o advogado explica que é necessário cumprir três requisitos: o dano, a conduta e o nexo causal. “O dano é aquele dano à pessoa, ao veículo, à integridade física; a conduta é se aquele acidente ocorreu em virtude de um defeito na rodovia, se foi em razão da omissão ou negligência do poder público; e o nexo causal é a reunião do dano e da conduta, e há a configuração do nexo causal e, portanto, da responsabilidade civil”, detalha do advogado Antônio Neto.

Veja também  Cerca de 35 mil passageiros devem embarcar neste São João na Rodoviária de João Pessoa

No caso do acidente que aconteceu em João Pessoa, o carro da vítima possuía seguro. O reboque, inclusive, foi realizado pela seguradora. No entanto, o advogado explica que a seguradora pode pleitear, por meio de uma ação regressiva em face do município, o ressarcimento por todos os prejuízos suportados no conserto daquele veículo.

Neste sábado (4), a Prefeitura de João Pessoa, por meio da Procuradoria-Geral do Município, informou que está à disposição do proprietário do veículo envolvido no caso para qualquer esclarecimento. O procurador-geral do Município, Bruno Nóbrega, informou que basta o proprietário do automóvel entrar com pedido administrativo junto à Procuradoria do Município para ter o dano ressarcido.