Secretaria de Saúde da Paraíba investiga morte de adolescente após receber vacina da Pfizer

A SES ressalta que até o momento não se pode concluir a causa da morte e sua relação com a vacina.

Foto: divulgação

A Secretaria de Estado da Saúde da Paraíba (SES-PB) informou que está investigando se a morte de um adolescente de 15 anos, que morreu 18 dias após receber a primeira da vacina da Pfizer contra a Covid-19 em João Pessoa, tem relação com a imunização. A SES ressalta que até o momento “não se pode concluir a causa óbito e sua relação com a vacinação”.

 

Por meio de uma nota informativa, a SES disse que recebeu a notificação de um evento adverso grave após aplicação, no último dia 8 de outubro, da primeira dose da vacina e que o caso evoluiu para morte na terça-feira (26).

 

De acordo com o comunicado “evento adverso pós-vacinação (EAPV) é qualquer ocorrência médica indesejada após a vacinação e que, não necessariamente, possui uma relação causal com o uso de uma vacina ou outro imunobiológico”.

 

O caso foi notificado pelo Complexo Hospitalar Arlinda Marques e encaminhado à Coordenação Municipal de Imunização de João Pessoa, que o inseriu no e-SUS notifica. Também houve informação para a Secretaria Estadual de Saúde e Programa Nacional de Imunizações – PNI.

Veja também  Estado assume vacinação contra Covid-19 em Lucena a partir de segunda

 

A investigação acontece desde o dia da notificação, através da coleta de informações domiciliares e hospitalares de forma conjunta pelo Estado e município.

 

Para a investigação, é solicitada documentação complementar como prontuários médicos, laudos de exames laboratoriais e de imagem, relatórios de evolução de todos os serviços em que o paciente deu entrada para atendimento. O caso e os pareceres estão sendo discutidos com corpo técnico do Plano Nacional de Imunização do Ministério da Saúde, para elucidar o caso.

 

Os dados inseridos no sistema de informação serão atualizados sempre que novas informações forem incorporadas à investigação e, a partir dessa inserção, todas as instâncias envolvidas – Município, Regional de Saúde, Secretaria Estadual de Saúde e PNI – terão acesso às informações.

 

No nível federal, os casos de eventos adversos graves após vacinação são avaliados, discutidos e classificados segundo a causalidade, sendo que os casos mais graves são apresentados, para avaliação e classificação, pelo Comitê Interinstitucional de Farmacovigilância de Vacinas e outros Imunobiológicos (Cifavi). Depois do encerramento final e validação dos casos pelo comitê, ocorre uma retroalimentação (feedback) a todos os envolvidos.