Familiares de vítima vão prestar depoimento hoje

Antes de morrer mulher percorreu vários hospitais de Campina Grande com familiares.

O promotor interino da Saúde de Campina Grande, Clístenes Bezerra, deverá ouvir hoje à tarde os familiares de Ednalva Elói dos Santos, 57 anos, que morreu vítima de complicações provenientes de uma extração dentária no dia 9. Antes de morrer, ela percorreu vários hospitais com seus familiares, mas não recebeu atendimento médico.

O Ministério Público apura se houve algum tipo de omissão ou negligência no atendimento. A audiência foi marcada para às 16h. “Já recebemos alguns documentos dos hospitais por onde ela passou e da Secretaria de Saúde do município. Mas vamos ouvir agora os seus familiares, para confrontar as informações e tentar saber o que realmente aconteceu. O que me causa estranheza é tudo ser decorrente dessa extração e ela ter procurado os hospitais.

Queremos saber se existiu algum tipo de omissão ou responsabilidade, seja de odontólogos, médicos ou hospitais”, observou Clístenes. 

De acordo com os familiares de Ednalva Elói, a moradora do distrito de São José da Mata começou sua peregrinação na manhã do domingo, 8 de janeiro, indo a três hospitais que atendem pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e ainda à unidade do Programa Saúde da Família (PSF) Francisco Pinto, mas em nenhum deles conseguiu ser atendida. Ednalva sentia dor de dente, dores no peito, falta de ar e não conseguia se alimentar ou tomar nenhum tipo de líquido. Todos os hospitais que tiveram as informações requisitadas pelo MP disseram que a paciente foi atendida e orientada a procurar um serviço médico odontológico, já que não havia esse tipo de especialidade nos locais visitados.