Homens são presos por fraude em contratos de TV

Suspeitos usavam site para acessar dados de pessoas e firmar contratos.

Dois suspeitos de fraude em contratação de serviços de TV por assinatura foram presos na tarde deste sábado (20) em João Pessoa. De acordo com a Delegacia de Defraudações, Renato Ferreira Alves da Silva, de 26 anos, e João Bruno Farias Soares, de 32 anos, firmavam os contratos em nome de outras pessoas, que não sabiam de nada. Os suspeitos pegavam os dados das vítimas em um site. Eles já tinham sido presos no final de junho.

Segundo a Polícia Civil, as contratações fraudulentas só foram descobertas após o nome de uma vítima ser incluído no Serasa. Com isso, a pessoa passou a receber diversos telefonemas de cobranças, por atraso em faturas da empresa de TV a cabo. A vítima procurou a empresa, descobriu o endereço que tinha contratado o serviço, foi até lá e constatou a fraude. Em sequência repassou as informações para a polícia, na noite de sexta-feira (19).

Poucas horas depois de receber a denúncia, a Polícia Civil conseguiu chegar até os suspeitos. Foram identificadas três pessoas que já tinham sido presas em 30 de junho desse ano pelo mesmo crime. Na época, a Delegacia de Defraudações descobriu que a empresa dos suspeitos atuava negociando pacotes de internet/telefonia/tv a cabo a clientes que tinham restrições no comércio e a os que não queriam contratar os serviços em seu nome, propondo a estes que utilizassem nomes de terceiras pessoas, de uma relação constante em um site acessado pela empresa.

 

A negociação era então concluída em nome de uma terceira pessoa, sem o seu conhecimento e os serviços eram instalados na residência do cliente contratante e a empresa era beneficiada, cumprindo suas metas de contratações estabelecidas pela empresa de telefonia e recebendo seus pagamentos regularmente.
 

Para que os serviços fossem concluídos e liberados, a empresa inseria nos contratos, telefones de contato dela mesma , determinando aos seus funcionários – cerca de quatro vendedores – que atendessem todas as ligações, identificando-se em nome do cliente constante na contratação.
 

As investigações da DDF apontaram que o site usado na fraude possui o cadastro de milhões de pessoas, praticamente de qualquer pessoa que possua linha telefônica fixa ou móvel ou qualquer contratação em empresas de tv a cabo. Os suspeitos presos em junho foram soltos na audiência de custódia e aguardavam o processo em liberdade. No entanto, dois deles voltaram para a cadeia neste sábado.
 

Centenas de contratos fraudulentos, firmados pelos suspeitos, não foram ainda cancelado, de maneira que as fraudes continuam em plena execução, possibilitando novas prisões em flagrante.
 

Os suspeitos foram autuados em flagrante pelos crimes de falsidade ideológica e associação criminosa e permanecerão na carceragem da Central de Polícia, aguardando apresentação à audiência de custódia.