Pirâmide financeira que utiliza Bitcoins é investigada em João Pessoa

Investigações apontam prejuízo superior a R$ 1,6 milhão e cerca de 2 mil vítimas em todo o país. 

A Delegacia de Defraudações e Falsificações (DDF) de João Pessoa identificou um suposto esquema de pirâmide financeira. Segundo a polícia, uma empresa, com base na capital, mas que utilizava informações de empresas cearenses, é suspeita de causar um prejuízo superior a R$ 1,6 milhão a cerca de 2 mil vítimas no Brasil. Os ‘investimentos’ seriam feitos em em bitcoins” – uma moeda digital.

Três pessoas são apontados como líderes de acordo com a polícia. São homens de 20, 26 e 31 anos, além de outras 10 pessoas suspeitas de ajudá-los. Um dos homens, o de 20 anos, se apresentou na tarde desta terça-feira (26) na DDF, foi ouvido e liberado, segundo o delegado Lucas Sá.

O delegado afirma que os líderes prometeram o dobro do valor investido em uma semana, mas depois de um tempo os “investidores” não recebiam o dinheiro de volta e eram informados de que a “empresa tinha falido”. Os valores eram repassados para os cabeças da pirâmide em mãos, sem o registro de depósitos ou transferências bancárias.

Se confirmados os crimes, eles responderão por estelionato, associação criminosa e pirâmide financeira, podendo ser condenados a até 10 anos de reclusão cada um, disse Lucas Sá.