Acusado de ‘Golpe Don Juan’ na Paraíba é preso em Belo Horizonte

Thiago Boch negociava carros pela internet, alguns de golpes em mulheres.

Um ação conjunta das Polícias Civil da Paraíba e de Minas Gerais localizou e prendeu, na noite deste sábado (21), em Belo Horizonte, Thiago Cristiano Boch, 29 anos. Ele é investigado pela Delegacia de Defraudações e Falsificações de João Pessoa (DDF) pelo crime de estelionato, especializado na negociação de veículos pela internet e no “Golpe Don Juan” contra uma vítima de João Pessoa.

Thiago Boch está sendo investigado desde janeiro deste ano, quando foi denunciado por diversas vítimas do suspeito, que informaram a ocorrência de negociações fraudulentas de veículos através da internet e da prática do “Golpe Don Juan” em uma de suas vítimas.

Natural de Curitiba, no Paraná, Thiago Boch já responde a processos criminais por receptação, moeda falsa, além de diversas passagens pela polícia, segundo informou o delegado da DDF, Lucas Sá.

A localização de Thiago Boch foi informada pela Delegacia de Homicídios de Contagem/MG. Ao entrar em contato com a DDF da Paraíba, foram repassados pelos agentes de Minas Gerais diversas ocorrências policiais registradas no Estado de Minas Gerais, demonstrando que o suspeito continuava a praticar condutas criminosas, dentre eles estelionato, apropriação indébita e violência doméstica contra sua atual namorada.

A Polícia Civil da Paraíba, então, encaminhou todas as informações recentes à justiça criminal e reiterou o pedido de prisão preventiva, que foi concedida pela Justiça no último dia 12 de abril. Segundo informações do delegado Lucas Sá, Thiago Boch estava hospedado em um hostel e já tinha conhecimento do mandado de prisão, estando prestes a fugir do estado de MG.

Golpe Don Juan

A prisão de Thiago Boch tem com base negociação de veículos pela internet e no “Golpe Don Juan”, uma delas uma  vítima de João Pessoa que teve seu carro vendido por ele sem consentimento. Em janeiro deste ano, além de sumir com o veículo, ele levou mais de R$ 6 mil pagos por pessoas que o “compraram” em João Pessoa e Campina Grande.

A ex-companheira de Thiago, que não quis se identificar, informou que sua mãe tinha batido no carro e ele tinha se disposto a cuidar do veículo e colocá-lo para consertar. Enquanto estava com o carro, Thiago Boch vendeu o veículo por um aplicativo de vendas online se passando por sua ex-companheira, utilizando um número de telefone de Brasí