37,19% dos pacientes vítimas de AVC não resistem e morrem na Paraíba

No dia mundial de alerta, campanha alerta para sintomas e tratamento.

Idoso (Foto: Rizemberg Felipe)
Idoso (Foto: Rizemberg Felipe)
Acidente Vascular Cerebral atingiu mais de três mil pessoas na Paraíba entre 2017 e 2018. Foto: Rizemberg Felipe

Entre janeiro de 2017 a agosto deste ano, um total de 3.164 pessoas foram internadas na Paraíba em decorrência de um acidente vascular cerebral (AVC), popularmente conhecido como derrame. Desses pacientes, 1.177 (37,19%)  não resistiram e morreram, segundo dados da Secretaria Estadual da Saúde (SES). No Dia Mundial do AVC, lembrado nesta segunda-feira (29), especialistas destacam que a vida após esse tipo de ocorrência pode não ser mais a mesma, mas, com o cuidado e apoio adequados, uma vida significativa ainda é possível.

O AVC ocorre principalmente entre os idosos, na Paraíba. Dos casos registrados pela SES, a internação de pacientes no estado com mais de 80 anos chegou a 859 internações. Na faixa etária entre 75 a 79 anos o total de internações chegou a 447 pessoas. Casos entre pessoas de 65 a 75 anos chegaram a 788 relatos.

Entidades médicas que encabeçam a causa explicam que o AVC acontece quando um vaso sanguíneo que leva sangue e nutrientes para o cérebro para de funcionar – ou ele é obstruído por coágulo ou placa de gordura ou ocorre uma hemorragia. Quando isso acontece, uma parte do cérebro não recebe mais sangue e oxigênio e começa a morrer. A extensão e localização do dano cerebral determina a gravidade do AVC, que pode variar de leve a catastrófico.

Segundo o médico cardiovascular George de Albuquerque Cavalcanti Mendes cerca de 85% de todos os casos são do tipo isquêmico, resultado de uma obstrução num vaso sanguíneo que fornece sangue ao cérebro. Essa obstrução pode acontecer devido ao desenvolvimento de depósitos de gordura que revestem as paredes dos vasos. Já o AVC hemorrágico é responsável por cerca de 15% dos casos, resultado de um vaso enfraquecido que rompe e sangra no cérebro circundante.

Veja também  ‘Natal Iluminado’ 2021: veja mudanças no trânsito de Campina Grande, a partir deste sábado (4)

Sintomas

Os sinais de alerta de que alguém está tendo um AVC, de acordo com o médico, incluem: dormência súbita ou fraqueza na face, braço ou perna, especialmente em um lado do corpo; súbita confusão, dificuldade para falar ou compreender a fala; dificuldade súbita de enxergar em um ou ambos os olhos; súbita dificuldade para caminhar, tontura, perda de equilíbrio ou coordenação; dor de cabeça súbita, intensa, sem causa conhecida.

A orientação do especialista é que, na presença de um ou mais desses sinais, o paciente não espere, chame um serviço médico de emergência (no Brasil, Samu 192) ou procure um hospital imediatamente. “É importante que a pessoa que presenciar alguém com estes sintomas chame imediatamente o resgate. Temos bons hospitais na Paraíba, um deles é o Metropolitano de santa Rita, no qual é feito um tratamento de última geração, via endovascular, que pode recuperar o paciente”, destacou.

 

Confira as internações em decorrência do AVC, por faixa etária:

 

Faixa etária (18) 2017 2018 Total
1-4a 1 1
10-14a 1 1 2
15-19a 5 2 7
20-24a 12 3 15
25-29a 13 9 22
30-34a 21 4 25
35-39a 37 9 46
40-44a 48 24 72
45-49a 108 37 145
50-54a 138 39 177
55-59a 192 63 255
60-64a 234 69 303
65-69a 302 92 394
70-74a 299 95 394
75-79a 349 98 447
80e+a 677 182 859
Total 2.437 727 3.164
Fonte:Tabwin/SIH/DataSUS      
Pesquisa realizada em 08 de agosto de 2018