A reação de Veneziano e o silêncio, quase sepulcral, de Daniella aos ataques do presidente ao Senado

Vice-presidente do Senado, Veneziano rechaçou declaração do presidente. Daniella não se manifestou publicamente

Foto: reprodução

Os senadores paraibanos Veneziano Vital (MDB) e Daniella Ribeiro (Progressistas), ambos de Campina Grande, tiveram posturas bastante distintas ontem, diante do ataque do presidente Jair Bolsonaro aos membros da CPI da Covid-19 – que apura denúncias de propina e a má gestão do Governo Federal no enfrentamento à pandemia.
Como vice-presidente do Senado, Veneziano reagiu às declarações do presidente e saiu em defesa dos colegas.

Aliás, é bem verdade, o ataque atinge não apenas os 7 componentes da CPI, mas toda a instituição – já que a CPI é um instrumento formal do Senado Federal.

https://www.instagram.com/p/CQwR5ohnBcV/?utm_medium=copy_link
Postura diferente se viu de Daniella, que costuma ser atuante e ter posicionamentos firmes sobre os mais variados temas. Em 2019, por exemplo, quando Bolsonaro fez o gesto de uma ‘arma’ durante uma marcha de evangélicos, a paraibana criticou o presidente.
Agora, nenhuma palavra em defesa dos demais senadores.

O silêncio quase ‘sepulcral’ de Daniella talvez seja explicado, em parte, pela boa relação do Progressistas com o Governo. A paraibana tem trânsito livre com ministros e auxiliares da gestão Bolsonaro.

As visitas e reuniões frequentes, nos Ministérios e na Paraíba, podem ter moldado o olhar da paraibana sobre o presidente.
No caso da senadora Nilda Gondim (MDB) – mãe de Veneziano – que também não se manifestou publicamente sobre o tema, deu o esperado. Ela mantém uma postura de não participar muito desses debates.
Daniella e Veneziano sim. Participam frequentemente. Dessa vez, contudo, a senadora permaneceu em silêncio.

Veja também  TSE aprova registros de mais duas federações partidárias. Veja impactos na política paraibana