Faltando pouco mais de um ano para eleições, Campina tem mais 'nomes disponíveis' no xadrez político estadual

Foto: reprodução

Entre os 50 nomes que governaram a Paraíba no período republicano, apenas 4 tiveram por base política Campina Grande. Dois deles, Ronaldo Cunha Lima e Cássio, eleitos democraticamente. A cidade, contudo, é considerada quase sempre o ‘fiel da balança’ nas eleições estaduais.
Não tem sido assim nas últimas disputas, é verdade – quando foram eleitos o ex-governador Ricardo Coutinho e o governador João Azevêdo.

Mas para 2022 no ‘xadrez político’ do Estado a cidade possui, nesse momento, mais peças na mesa que a Capital e outras regiões.

São cotados para a disputa, como potenciais candidatos ao Governo, o ex-prefeito Romero Rodrigues (PSD) e o senador Veneziano Vital (MDB). Para a corrida ao Senado, os nomes de Aguinaldo Ribeiro (PP) e de Cássio (PSDB) são sempre lembrados.
E há quem não descarte também, por exemplo, uma possível candidatura da senadora Daniella Ribeiro (PP) ao Palácio da Redenção. A possibilidade é remota. A prioridade do partido é a ida de Aguinaldo para o Senado.
Em João Pessoa há pelo menos três nomes disponíveis para o embate: o governador João Azevêdo (Cidadania), o ex-prefeito Luciano Cartaxo (PV) e o ex-governador Ricardo Coutinho (PSB), este último desgastado pela Calvário.
No Sertão o deputado Efraim Filho (DEM) parece decidido a concorrer ao Senado e, no Brejo, Adriano Galdino (PSB) busca espaço para sair candidato a vice-governador na chapa de Azevêdo.
Os demais nomes são ‘satélites’. Podem até compor as chapas majoritárias, mas ainda não estão na bolsa de apostas da política paraibana.
Campina, com quatro ou cinco nomes no cenário, pode sair ainda maior de 2022. A cidade, que recebe o nome de ‘Grande’, tem hoje um bom time para a disputa.
Como em um tabuleiro, é preciso esperar para ver onde eles estarão posicionados ano que vem.

Veja também  Veneziano espera Lula na Paraíba em julho