Ex-prefeita de Monteiro é condenada a dois anos de detenção

Pena é substituída por prestação de serviço à comunidade e multa de 10 salários mínimos.  

A ex-prefeita de Monteiro, no Cariri da Paraíba, Edna Henrique, foi condenada nesta quarta-feira (19) a dois anos e dez meses de detenção, com substituição da pena corporal por duas restritivas de direito, ou seja, a condenação da ex-gestora foi revertida em prestação de serviços gratuitos à comunidade e multa no valor de dez salários mínimos, em favor do Fundo Penitenciário.

O Pleno do Tribunal de Justiça da Paraíba julgou, nesta quarta-feira (19), procedente a denúncia do Ministério Público Estadual em virtude das nomeações dos servidores entre os anos de 2009 a 2010. Ainda na decisão, a Corte não aplicou a pena de afastamento e de inabilitação da denunciada, pelo prazo de cinco anos, para o exercício de cargo ou de função pública, eletivo ou de nomeação, conforme trata o artigo 1, § 2º, do Decreto Lei nº 201/67.

A ex-gestora é acusada de ter prorrogado irregularmente os contratos temporários de 179 servidores públicos, admitidos sem concurso público com base na Lei Municipal nº 1.154/97. O relator da notícia-crime (1420515-29.2013.815.0000) é o juiz convocado José Guedes Cavalcanti Neto.,

Veja também  ‘Nenhum ladrão, nenhum corrupto’, disse ex-ministro da educação ao falar sobre o MEC em evento da UFPB; veja vídeo

Prazo

No voto, o juiz-relator José Guedes ressaltou que as contratações realizadas pela prefeita extrapolaram o prazo máximo de um ano previsto na Lei Municipal nº 1.154/97.

“Como se vê na denúncia, não se está questionando a contratação emergencial em si, mas, o fato de haver a ré prorrogado os vínculos, com o mesmo funcionário, contra expressa disposição da lei municipal”, disse o relator.

Quanto aos contratos emergenciais terem sido assinados pelo secretário municipal, o magistrado afirmou que o mesmo jamais poderia fazê-lo sem autorização da ex-prefeita. Por fim, o relator assegurou que Edna, ao renovar os contratos com as mesmas pessoas, infringiu a lei municipal e, consequentemente, a Constituição Federal.

Procurada, a ex-prefeita Edna Henrique não foi encontrada para comentar a decisão do Tribunal de Justiça ou se vai recorrer da decisão.