Ciro Gomes terá que pagar indenização de R$ 20 mil a Manoel Júnior

Presidenciável chamou vice-prefeito de “semianalfabeto,picareta e desqualificado”.

O pré-candidato a presidência, Ciro Gomes (PDT), foi condenado a pagar uma indenização de R$ 20 mil ao vice-prefeito de João Pessoa, Manoel Junior (MDB), por tê-lo chamado de “semianalfabeto, picareta e desqualificado”, durante entrevista para o Jornal O Povo. A sentença foi dada na última sexta-feira (16).

O episódio aconteceu em 2015, momento em que o emedebista era cotado para assumir o Ministério da Saúde, na gestão da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). Na oportunidade, Ciro Gomes chegou a sugerir que a Agência Brasileira de Inteligência (ABIN) investigasse o parlamentar. “Na hora que vasculhar ele não dura 15 dias”, insinuou.

Na ação, Manoel Junior disse que se sentiu prejudicado com as declarações, já que foi rifado como candidato ao posto de ministro. Segundo reportagem do Estadão, Ciro Gomes, teria ponderado, no processo, que falou “no calor das emoções típicas do meio político”. Na decisão, o juiz Luís Miranda rebateu: “Cautela e comedimento nas palavras são atemporais”.

Na conclusão, o juiz cita, ainda, o fato de Ciro ter chamado o vice-prefeito de “semianalfabeto” de forma pejorativa, uma vez que ele é médico, para concluir que houve violação da honra. A decisão ainda cabe recurso.

Outro processo

Além desta ação, Ciro Gomes também está sendo processado por Manoel Junior na Paraíba, também por declarações polêmicas dada pelo presidenciável, em passagem pelo estado. Em dezembro do ano passado, ao ser questionado pela imprensa sobre as possíveis alianças para 2018, o cearense disse que a única certeza que tinha é a de que iria lutar contra a “quadrilha do PMDB” e mirou as acusações na direção Manoel Júnior, que afirmar “conhecer de longa data”.

Ciro Gomes afirmou categoricamente que Manoel Junior é membro de uma quadrilha formada por lideranças do PMDB. “Alguns deles estão envolvidos em assassinato. Vocês pesquisem aí que vocês vão ver quem é”, apontou.

O presidenciável também acusou o vice-prefeito da capital de, à época em que era deputado federal, ter sido escalado pelo então presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha (PMDB), para devassar o seu irmão, Cid Gomes, mesmo ele estando internado em um hospital. “Eu conheço ele de longa data e isso é o que eu penso dele. Se achar ruim, estarei aqui (na Paraíba) até amanhã cedo”, desafiou.