Câmara Municipal de CG é investigada por contratação de assessores

Segundo dados do Sagres do TCE, há 260 servidores contratados na Casa.

Foto: Divulgação

As contratações de pessoal para atuar na atividade de suporte e apoio parlamentar pela Câmara Municipal de Campina Grande estão sendo alvo de investigação do Ministério Público da Paraíba (MPPB). O inquérito civil foi instaurado pelo promotor de Justiça Especializada na Defesa do Patrimônio Público em Campina Grande, Alyrio Batista de Souza Segundo, na última sexta-feira (23).

De acordo com dados do Sagres, do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (TCE-PB), referentes ao mês de setembro de 2019 (dados mais atualizado disponibilizado no sistema), a Câmara Municipal de Campina Grande tem em sua folha de pessoal 294 servidores comissionados, que onera a folha em R$ 943.768,4. Desse total, 260 são assessores parlamentares e representam R$ 758,91 na folha, com salários que podem chegar a mais de R$ 8,6 mil.

Veja também  Dois vereadores e três suplentes de Campina Grande têm votos anulados por juiz eleitoral

A Câmara ainda tem 31 servidores contratados por excepcional interesse público, ocasionando um custo de R$ 38.425. Desse total, 17 funcionários ocupam o cargo de apoio parlamentar.

O inquérito civil instaurado, entre outros objetivos, vai individualizar as supostas irregularidades e colher informações para uma eventual ação civil pública. O MPPB quer identificar os responsáveis, reparar eventuais danos e inibir essas práticas, caso sejam encontradas irregularidades.

A presidente da CMCG, Ivonete Ludgério (PSD), afirmou que vai aguardar ser notificada formalmente para se posicionar sobre a inquérito do MPPB.