Caetano Veloso a João Campos: “Me desassossega que o candidato do presidente da República conte com seu apoio”

A ligação de Caetano Veloso (na foto, com Violeta) com a família Arraes vem do tempo em que o artista estava exilado na Inglaterra.

Miguel Arraes, Violeta Arraes – contatos que se transformaram em amizade que se estendeu a filhos e netos.

Na passagem do show Velô pelo Recife, em 1984, o músico já defendia o retorno de Arraes ao governo de Pernambuco, o que ocorreria dois anos mais tarde.

Quando Miguel Arraes morreu, Caetano foi ao Recife velar o grande político pernambucano.

No camarim dos seus shows recifenses, já testemunhei, sempre há a presença dos Arraes.

Em 2014, num quarto de hotel, vi, comovido, Caetano gravando um vídeo a pedido de Dona Madalena Arraes. Ele leu o histórico, corajoso e muitíssimo digno pronunciamento de Arraes aos seus auxiliares no momento em que os militares o arrancaram do governo de Pernambuco, em 1964.

É este Caetano que, num email ao prefeito João Campos, do Recife, confessou seu desassossego diante do apoio do jovem político – filho de Eduardo Campos e bisneto de Miguel Arraes – ao candidato de Bolsonaro à presidência da Câmara.

Transcrevo o que Caetano disse a João no email tornado público neste final de semana:

Caro João,

Claro que para mim você é a criança que vi perto de seus pais, avós e tios-avós. Mas estou consciente de que hoje você é o prefeito do Recife e começa uma história política pessoal que imagino ser importante. Com a mistura de carinho e respeito que essas realidades me dão, ouso escrever a você para pedir um pensamento mais reflexivo sobre o caso da disputa pela presidência da Câmara. Você deve saber que eu disse de público que, embora ame Erundina, preferia que o PSOL votasse contra o candidato de Bolsonaro do que qualquer outra coisa. Não quis deixar de lhe pedir o mesmo. Penso que talvez você saiba de necessidades do seu cargo que sugerem a atitude oposta. Mas não resisto a querer lembrá-lo que, além de considerar perigosíssimo o controle do executivo sobre o Congresso, é possível que os interesses da prefeitura de sua cidade sejam igualmente (ou até de maneira melhor) satisfeitos por uma Câmara presidida por um presidente mais independente. Você sabe que eu não faço política e devo soar ingênuo a quem está dentro do jogo. Mas não posso evitar esse comentário (que teria pretensão de fazer alguma pressão sobre seu pensamento). Tenho orgulho de vê-lo tão jovem na posição que alcançou. Do alto dos meus 78 anos, tomo a liberdade de confessar que me desassossega que o candidato do presidente da República conte com seu apoio.

Mando um forte abraço, como amigo de sua gente, como cidadão brasileiro e como cidadão pernambucano, que tenho a honra de ser.

Caetano.

*****

A eleição do presidente da Câmara será nesta segunda-feira (01).

Veja também  A Disney mentiu. The Beatles: Get Back confirma Let It Be, o filme de meio século atrás

O candidato de Bolsonaro é Arthur Lira.

O candidato de Rodrigo Maia, atual presidente da casa, é Baleia Rossi.