icon search
icon search
home icon Home > política
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin copiar link deste artigo
Compartilhe o artigo
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin copiar link deste artigo
compartilhar artigo

POLÍTICA

Contrariando Congresso, Governo Lula anuncia MP que reonera folha de pagamentos; Efraim reage

Em publicação nas redes sociais, Efraim Filho disse que o anúncio do ministro contraria o Congresso Nacional, que aprovou a continuidade da desoneração, e demonstra falta de diálogo do Governo Federal com os parlamentares.

Publicado em 28/12/2023 às 14:55 | Atualizado em 28/12/2023 às 15:08


                                        
                                            Contrariando Congresso, Governo Lula anuncia MP que reonera folha de pagamentos; Efraim reage
Plenário do Senado Federal durante sessão deliberativa ordinária. Na pauta, a proposta de emenda à Constituição (PEC 45/2019) que institui uma reforma no sistema tributário brasileiro. À bancada, em pronunciamento, senador Efraim Filho (União-PB). Foto: Roque de Sá/Agência Senado. Roque de Sá/Agência Senado

Autor da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que estende a desoneração da folha de pagamentos até dezembro de 2027, o senador paraibano Efraim Filho (União) reagiu, nesta quinta-feira (28), à decisão do Governo Lula (PT) em editar uma medida provisória que reonera, de forma gradativa, a folha de pagamentos a partir do próximo ano. Em publicação nas redes sociais, o parlamentar paraibano disse que o anúncio contraria a vontade do Congresso Nacional.

Mais cedo, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, promulgou a lei, de autoria de Efraim, que renova a desoneração da folha de pagamento de 17 setores da economia. O texto também reduz a alíquota de contribuição para mais de 5,3 mil Municípios ao Regime Geral de Previdência Social (RGPS) para 8%. O anúncio de Haddad pegou alguns parlamentares de surpresa, que reagiram à decisão e já começaram a se mobilizar para rejeitar a proposta.

A edição da MP contraria uma decisão tomada por ampla maioria pelo Congresso. Vai sofrer resistências desde a largada. Traz insegurança jurídica para o empreendedor, que no dia 01/01 ficará sem saber qual regra seguir, se a da MP ou da lei aprovada pelo Congresso e hoje publicada, escreveu o senador nas redes sociais.

Ainda pela manhã, o ministro Fernando Haddad anunciou um conjunto de novas medidas que serão enviadas pelo governo ao Congresso Nacional para melhorar a situação das contas públicas federais nos próximos anos, incluindo a reoneração. As medidas, que ainda serão oficializadas no Diário Oficial da União (DOU), buscam, entre outros fatores, garantir que o governo consiga cumprir a meta fiscal prevista no Orçamento de 2024 – de déficit zero, ou seja, gastar apenas o que será arrecadado no ano, sem aumentar a dívida pública.

Desoneração

Segundo a equipe econômica, a desoneração da folha de pagamento apenas dos 17 setores, no modelo aprovado pelo Congresso, representaria uma queda de arrecadação de R$ 12 bilhões em 2024. O governo chegou a citar um impacto total de R$ 25 bilhões do texto, considerando outros itens (como a desoneração da folha das prefeituras de pequenos municípios).

Nesta quinta, o governo informou que, com a reoneração prevista pela MP, o custo cairia para cerca de R$ 6 bilhões – valor que seria compensado pelas mudanças no Perse. A medida do governo muda a lógica do benefício. No lugar da desoneração da folha, que previa pagamento de 1% a 4,5% sobre a receita bruta da empresa, o governo propõe agora que paguem uma alíquota de 10% ou 15% até o valor de um salário mínimo. O que passar disso, pagará uma alíquota normal, de 20%.

Em vez de setores, a desoneração será concedida para classificação principal de atividade econômica das empresas, divididas em dois grupos: desoneração de 10% para 17 categorias; desoneração de 15% para 25 categorias. Os grupos foram divididos segundo critérios de alcance do benefício atual e de geração de emprego. Como contrapartida, as empresas beneficiadas deverão manter o mesmo patamar de empregos atual.

“A MP não é o melhor caminho, um projeto de lei, com essas propostas de alteração, dando tempo e prazo para o debate das ideias, esse sim seria um sinal de que o governo quer o diálogo com o Congresso Nacional”, concluiu Efraim.

Outras medidas

Além da reoneração da folha, o governo anunciou outras duas medidas: a limitação das compensações tributárias feitas pelas empresas – ou seja, de impostos que não serão recolhidos nos próximos anos para "compensar" impostos pagos indevidamente em anos anteriores e já reconhecidos pela Justiça e mudanças no Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (Perse), criado na pandemia para beneficiar o setor cultural e prorrogado pelo Congresso, em maio, até 2026.

Jornal da Paraíba com informações do G1

Imagem

Felipe Nunes

Tags

Comentários

Leia Também

  • compartilhar no whatsapp
  • compartilhar no whatsapp
    compartilhar no whatsapp
  • compartilhar no whatsapp
  • compartilhar no whatsapp
  • compartilhar no whatsapp