Angélica Nunes
Laerte Cerqueira

Sob pressão, Bolsonaro promete zerar impostos do gás e do diesel produzido pela Petrobras

Por ANGÉLICA NUNES e LAERTE CERQUEIRA

 

Foto: Reprodução

Em meio à saraivada de críticas sobre a falta de organização do plano de vacinação, o presidente Jair Bolsonaro decidiu fazer um agrado sobre outro tema que tem preocupado a população: os sucessivos e incessantes reajustes dos preços do gás e do óleo diesel nos último meses. Em sua live semanal, ontem (18), ele avisou que o o governo decidiu zerar os impostos federais que incidem sobre o gás liquefeito de petróleo (GLP) – o gás de cozinha – e o óleo diesel.

Segundo Bolsonaro, a partir de 1º de março não haverá qualquer incidência de tributo federal no gás de cozinha, que está, em média, hoje em dia, R$ 90, na ponta da linha. “E o preço na origem está um pouco abaixo de R$ 40. Então, se está R$ 90, os R$ 50 aí é ICMS, imposto estadual, e é também para pagar ali a distribuição e a margem de lucro para quem vende na ponta da linha”, disse o presidente.

O direcionamento ao imposto estadual não é à toa. O presidente tem provocado os governadores estaduais sobre a redução do ICMS também sobre os combustíveis. A pauta foi ‘comprada’ por deputados bolsonaristas na Paraíba, como o deputado Cabo Gilberto, que tem feito campanha para que o governador João Azevêdo zere a alíquota do ICMS sobre a gasolina.

Diesel 

A questão é que o Bolsonaro não tratou da gasolina e álcool veicular, usado pelo motorista comum. A redução do diesel deve contemplar em especial os caminhoneiros, que têm ameaçado realizar novas paralisações devido ao aumento do combustível.

Veja também  CPI da Banda Larga começa a ouvir operadoras de internet nesta segunda-feira

Além disso, Bolsonaro explicou que o corte no imposto será temporário até que o governo encontre uma forma de eliminar a cobrança de forma definitiva. O presidente também criticou reajustes recentes no preço dos combustíveis por parte da Petrobras e chegou a indicar que haverá mudanças na estatal em breve.

“Eu não posso interferir nem iria interferir na Petrobras. Se bem que alguma coisa vai acontecer na Petrobras nos próximos dias. Você tem que mudar alguma coisa”, acenou o presidente.

Novo aumento

Os preços praticados nas refinarias da Petrobras são reajustados de acordo com a taxa de câmbio e a variação do preço internacional do petróleo, negociado em dólar. Desde janeiro, a Petrobras já reajustou três vezes o preço do diesel e quatro vezes o da gasolina, que tinha o valor médio de R$ 1,84 em 29 de dezembro e chegará a R$ 2,48 com o reajuste que vigora a partir desta sexta-feira (19).

Impostos federais

Atualmente, o único imposto federal incidente sobre o GLP e o diesel é o PIS/Cofins, que é de R$ 2,18 por botijão e cerca de 35 centavos por litro do diesel, segundo informações da Agência Nacional de Petróleo (ANP). A Cide, outro imposto federal cobrado sobre combustíveis, já está zerada tanto para o diesel quanto para o GLP.

 

* Com informações da Agência Brasil