Angélica Nunes
Laerte Cerqueira

Governo nega possibilidade de apagão, mas ministro vai pedir que população economize energia

Por LAERTE CERQUEIRA e ANGÉLICA NUNES 

Foto: Agência Brasil

Vários autoridades do governo federal negam que a crise hídrica que vivemos vai gerar um apagão ou um compulsório plano de racionamento. Mas, hoje (28), o ministro de Minas e Energia, almirante Bento Albuquerque, fará um pronunciamento, em cadeia nacional de rádio e TV para, entre outros temas, pedir conscientização da população para o uso da água e da energia.

O pronunciamento está previsto para acontecer nesta segunda-feira, às 20 horas. De acordo com a coluna da jornalista Carla Araújo, do site Uol, o ministro deve destacar a aprovação da MP da Eletrobras e também fazer o apelo para que os brasileiros tenham cautela com desperdícios de energia.

Em várias audiências públicas e entrevistas à imprensa nacional, Bento tem negado o risco de racionamento e disse que o governo não trabalha com essa hipótese, pois os órgãos setoriais monitoram o setor elétrico 24 horas por dia.

A crise

Desde o fim do ano passado, o governo já gastou R$ 55 milhões na campanha que circula em rádio, TV e internet e pede o uso racional de água e energia. A campanha se encerra no fim deste mês, mas o governo já estuda sua prorrogação.

Veja também  Membros do Judiciário e MP na Paraíba recebem 36% a mais do teto constitucional, aponta estudo

No fim de maio, segundo dados do ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), o volume de chuva se manteve abaixo do normal no mês, e o país entra no período seco em situação delicada no que se refere a oferta de água nos reservatórios das usinas hidrelétricas. A seca projetada para o período de setembro a maio é a pior em 91 anos.

Atualmente, quase 60%, da geração de energia brasileira depende do sistema hidrelétrico.

Horário de verão 

Semana passada, empresários do setor de turismo afirmaram que querem convencer o presidente Bolsonaro a abrir mão de uma das primeiras medidas tomadas no governo dele: a extinção do horário de verão. A argumentação é a de que o retorno pode beneficiar o turismo nacional e representar uma economia na energia elétrica