Angélica Nunes
Laerte Cerqueira

“Pandemia pode empurrar mais 8,9 milhões de crianças e adolescentes para o trabalho infantil até 2022”, diz juíza do TRT-13

Por ANGÉLICA NUNES e LAERTE CERQUEIRA

Foto: Unicef/Asselin

A pandemia da Covid-19 deixou muitas vítimas fatais, sequeladas pelo coronavírus e, pelo andar da carruagem, também pode ‘empurrar’ mais 8,9 milhões de crianças e adolescentes em todo o mundo para o trabalho infantil, até o final de 2022.

A previsão é da Organização Internacional do Trabalho, divulgada este ano, e trazida ao debate pela juíza do trabalho Mirella Cahú, que atua na 4ª Vara do Trabalho da Capital.

A juíza destacou que o relatório “Trabalho infantil: estimativas globais de 2020, tendências e o caminho a seguir”, divulgado pela OIT e o Unicef em junho deste ano, alerta que o progresso para acabar com o trabalho infantil estagnou pela primeira vez em 20 anos, revertendo a tendência de queda anterior que viu o trabalho infantil diminuir em 94 milhões entre 2000 e 2016.

Outro dado importante levado pela magistrada revela que o número de crianças e adolescentes de 5 a 17 anos em trabalhos perigosos – definido como trabalho que pode prejudicar sua saúde, segurança ou moral – chegou a 79 milhões, um aumento de 6,5 milhões de 2016 a 2020 em todo o mundo.

Veja também  Queiroga marca presença em ação de Campanha Nacional de Vacinação nesta terça, em João Pessoa

Reunião

A juíza Mirella Cahú é uma das coordenadoras do Programa Trabalho Seguro da Paraíba e ministrou palestra na última quarta-feira (18) com o tema “O trabalho infantil no contexto da pandemia: a crise econômica, social e política” para professores da rede estadual de ensino.

A apresentação integrou um dos módulos do curso de formação “O enfrentamento ao trabalho infantil pela política de educação”, que faz parte de um projeto de extensão da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

Mais de 60 educadores de diversos municípios participaram do momento, trocando experiências e tirando eventuais dúvidas com a juíza.

O encontro vem no momento de retomada das aulas em formato híbrido e da necessidade de levantar a questão do trabalho infantil neste contexto pós-pandemia no país.

“Discuti qual foi o impacto da pandemia no trabalho infantil, passando pela análise da crise econômica, social e política atual e como ela interfere nos números do trabalho infantil do país”, explicou.

Com informações da Ascom/TRT-13