Angélica Nunes
Laerte Cerqueira

Queiroga se posiciona sobre liberação da vacinação de adolescentes contra a Covid-19

Ministro da Saúde está cumprindo quarentena em Nova York após se contaminar com o coronavírus.

Foto: divulgação
Foto: divulgação

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, usou as redes sociais nesta quinta-feira (23) para se posicionar sobre a decisão do governo em, novamente, liberar a vacinação de adolescentes contra a Covid-19. O paraibano está em quarentena de 14 dias, em Nova York, por ter se contaminado pela Covid-19 em viagem com o presidente Jair Bolsonaro.

Marcelo Queiroga publicou: “O Ministério da Saúde publicou Nota Técnica na noite de ontem, com orientações para a vacinação em adolescentes sem comorbidades. Jovens de 12 a 17 anos deverão ser vacinados seguindo ordem de prioridades, e apenas com a vacina Pfizer, única autorizada pela Anvisa”. 

Ainda segundo o paraibano, o Ministério da Saúde fez um amplo trabalho de investigação e avaliou criteriosamente todos os cenários. “A nova decisão está pautada em estudos, pesquisas internacionais e discussões técnicas”, destacou Queiroga.

Veja também  Conheça os três candidatos na disputa à presidência da OAB da Paraíba

Marcha à ré

O Ministério da Saúde voltou atrás na liberação da imunização de jovens entre 12 e 17 anos uma semana após o ministro orientar pela suspensão da vacinação de adolescentes sem comorbidades. Quando tomou a decisão, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, criticou a campanha antecipada dos estados e falou que haviam “eventos adversos a serem investigados”.

suspensão foi bastante criticada por especialistas, sociedade e associações médicas, e gestores, que alegaram que não havia base científica para decisão. Na última terça-feira (21), o ministro do STF, Ricardo Lewandowski, autorizou estados e municípios a vacinas os adolescentes de 12 a 17 anos sem doença, alegando o mesmo motivo: falta da base científica do MS. Mais de 20 capitais e várias cidades do país, com autonomia, continuaram a imunização, mesmo com a orientação do ministro Queiroga.