Angélica Nunes
Laerte Cerqueira

Fake news: Bolsonaro relaciona vacina a HIV e entidades médicas desmentem

Presidente disse em live que pessoas completamente imunizadas contra a Covid-19 estão desenvolvendo HIV ‘muito mais rápido que o previsto’.

O presidente associou a vacina contra Covid-19 ao HIV. Foto: Reprodução

A Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) teve que entrar no circuito para desmentir uma fala do presidente Jair Bolsonaro, na última quinta-feira, na live semanal. Baseado em sites (aqueles que falam o que ele quer ouvir), o presidente relacionou as vacinas contra Covid-19 ao vírus da imunodeficiência humana (HIV).

A entidade  condenou “toda e qualquer notícia falsa que circule e faça menção a esta associação inexistente”.

A informação “jogada” na live dizia que relatórios oficiais do governo do Reino Unido sugerem que as pessoas completamente imunizadas estão desenvolvendo a síndrome de imunodeficiência adquirida “muito mais rápido que o previsto”.

O Comitê de HIV/aids da SBI disse, em nota, que não se conhece nenhuma relação entre qualquer vacina contra a COVID-19 e a Aids. Esclareceu ainda que pessoas que vivem com HIV/aids devem ser completamente vacinadas contra a Covid-19.

“Destacamos inclusive a liberação da dose de reforço (terceira dose) para todos que receberam a segunda dose há mais de 28 dias”, diz o texto, endossado pela Associação Médica Brasileira (AMB). “Repudiamos toda e qualquer notícia falsa que circule e faça menção a esta associação inexistente”, afirmou na nota.

Reação de cientistas à fake news

Em monitoramento de O Globo no Twitter, pesquisadores e médicos se manifestaram sobre a fala do presidente Jair Bolsonaro.

A epidemiologista Denise Garrett, do Instituto de Vacinas Sabin (dos EUA), reiterou que nenhuma das vacinas para Covid-19 aprovadas pela Food and Drug Administration (FDA), agência reguladora dos EUA, e pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), causam HIV. Isso inclui todos os imunizantes disponíveis no Brasil, além da vacina da Moderna.

Veja também  Márcia Lucena lança documentário em que critica métodos da Operação Calvário

O infectologista Evaldo Stanislau, diretor da Sociedade Paulista de Infectologia, publicou um vídeo no qual critica a disseminação de mentiras sobre o assunto e esclarece que não há nenhuma base científica para afirmar que pessoas que tem HIV e estão vacinadas completamente contra a Covid desenvolvem aids. “Vacinas não transmitem doenças. Vacinas previnem doenças. Vacina contra a Covid salva vidas”, afirma o médico.

A declaração é corroborada por outros especialistas, que também se manifestaram, como o médico e pesquisador Daniel Dourado; a microbiologista Natalia Pasternak, colunista do GLOBO; Isaac Schrarstzhaupt, coordenador na Rede Análise Covid-19; e o oncologista Bruno Filardi. Todos afirmaram que a informação divulgada pelo presidente Jair Bolsonaro é falsa e ressaltaram que não existe nenhuma possibilidade de vacina causar aids.

“Vacinas contra a COVID-19 não transmitem HIV, quem divulga o contrário além de colaborar com a hesitação vacinal ainda amplia a estigmatização das pessoas que vivem com HIV, no Brasil mais de 900.000 pessoas – parem!”, escreveu o médico Gerson Salvador, especialista em infectologia e autor do livro “O pior médico do mundo”.

Vacina e HIV foi cortina de fumaça

Para muitos, o presidente apostou em mais uma ‘cortina de fumaça’ , na semana que foi acusado de crimes na CPI da Covid-19 e no dia em que Paulo Guedes teve que se explicar sobre ‘furar o teto de gastos’ para garantir o Auxílio Brasil de R$ 400, no ano da eleição.

Com informações de O Globo (Rodrigo Castro e Giulia Vidale)