Angélica Nunes
Laerte Cerqueira

Governador reivindica no TCU liberação das obras do Ramal Piancó

Obra, que estava em fase de licitação no Dnocs, foi barrada pelo Tribunal.

Foto: divulgação/Secom-PB
Foto: divulgação/Secom-PB

O governador João Azevêdo se reuniu, nesta terça-feira (26), em Brasília, com o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), Raimundo Carreiro. O encontro foi para tentar destravar as obras do Ramal Piancó, que teve o processo licitatório suspenso pelo órgão.

João Azevêdo explicou que o ramal teve a licitação iniciado no Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs) suspensa no TCU por falta de alguns estudos que precisavam ser feitos, mas afirmou estar confiante com uma solução para o problema.

O ministro foi extremamente atencioso e se comprometeu a fazer os encaminhamentos para que o mais rapidamente possível se possa retomar esse processo e a obra seja iniciada”, comentou.

Ramal

A obra hídrica está orçada em R$ 182 milhões e deve beneficiar mais de um milhão de pessoas em 37 municípios paraibanos.

Veja também  Com corredor de vento e ilha de calor, Paraíba avança na produção de energias renováveis

Quando estiver pronta, irão reforçar a adução de água bruta para suprir as necessidades de água para consumo humano e impulsionar a atividade agropecuária nos municípios da bacia do Alto Piancó que enfrentam grandes impactos nos períodos de seca extrema e prolongada.

O empreendimento consiste na captação de água no trecho II do eixo Norte do Projeto de Integração do Rio São Francisco (PISF), no Ceará. A vazão captada seguirá, através de um conjunto de adutoras com aproximadamente 19 Km de extensão, até o Rio Piancó e, dele, até o açude Condado, no munícipio de Conceição de onde a água seguirá até o sistema de barragens Coremas-Mãe D’Água.

A liberação das obras foi uma das demandas apresentadas pelos prefeitos de municípios do Vale do Piancó ao governador João Azevêdo durante reunião realizada no dia 13 de outubro, em João Pessoa.