Angélica Nunes
Laerte Cerqueira

Deputados derrubam veto e feiras livres se tornam patrimônio cultural imaterial na Paraíba

Proposta de autoria do deputado Tovar Correia Lima também cria o Dia do Feirante.

Foto: divulgação
Foto: divulgação

Os deputados aprovaram, por maioria, pela derrubada do veto do governo a um projeto de lei que declara as feiras livres patrimônio histórico cultural e imaterial na Paraíba. A matéria foi apreciada na sessão híbrida na Assembleia Legislativa desta quarta-feira (3).

A proposta, de autoria do deputado Tovar Correia Lima (PSDB), também cria o Dia do Feirante, a ser celebrado no dia 25 de agosto.

O projeto considera feiras livres aquelas que comercializem produtos hortifrutigranjeiros, peixes, carnes, pastéis, artigos artesanais, regionais, antiguidades, objetos de arte e afins, desde que reconhecidas e regulamentadas pelo Poder Executivo dos municípios paraibanos em que estão instaladas.

As feiras livres que forem criadas e regulamentadas após a entrada em vigor da lei também serão por ela recepcionadas e passarão a fazer parte do acervo cultural imaterial do estado da Paraíba.

Veja também  Prefeita proíbe realização de vaquejada em Rio Tinto após recomendação do MPPB

Como patrimônio histórico cultural imaterial do estado, as feiras livres devem ser preservadas e as decisões relacionadas às modificações de organização, horário e local das feiras livres dependerão de prévia anuência dos feirantes e dos moradores do local.

O governador João Azevêdo (Cidadania) havia vetado a proposta após consulta ao Instituto do Patrimônio Histórico da Paraíba (Iphan), que considera que as feiras livres não são patrimônio cultural e imaterial apenas na Paraíba, mas é um fenômeno mundial, por não ter elementos exclusivamente do estado.