Angélica Nunes
Laerte Cerqueira

“Há uma tendência que se chegue a um consenso para não ter réveillon na orla”, diz secretário

A impressão foi relatada por Geraldo Medeiros após reunião com MPF, MPPB e secretários municipais de Saúde da Grande João Pessoa, além da procuradoria-geral do Estado. 

Foto: Divulgação/Secom-JP
Foto: Divulgação/Secom-JP

Apesar de não ter nada definido, o secretário de Saúde da Paraíba, Geraldo Medeiros, afirmou ao Conversa Política que há uma tendência de consenso para que não seja realizado réveillon na orla de João Pessoa.

A impressão foi relatada por ele após reunião com MPF, MPPB e secretários municipais de Saúde da Grande João Pessoa, além da procuradoria-geral do Estado. A conversa, por vídeo conferência, durou mais de duas horas e aconteceu na manhã desta segunda-feira (22).

“Discutimos, mostramos a temeridade que é realizar o réveillon na praia”,  disse o secretário.

Geraldo Medeiros afirmou que foram feitos encaminhamentos para uma nova reunião, ainda sem data marcada.

As primeiras definições sobre o assunto devem ser divulgadas no novo decreto com medidas, no fim do mês, acredita ele. O atual decreto está em vigor até o dia 30 de novembro e sofreu modificações no fim de semana, liberando a entrada em show sem a necessidade do teste Covid-19, após acordo em reunião similar.

Veja também  Opinião: Republicanos não tem direito a exigir vice da base governista, se já escolheu o senador da chapa contrária

De acordo com o secretário, o decreto deve trazer também informações sobre a capacidade de público nos shows.

Planos da prefeitura de João Pessoa

Com planos de realizar o Natal dos Sentimentos e um grande Réveillon na orla de João Pessoa, o prefeito Cícero Lucena (Progressista) demonstrou estar empenhado para superar a preocupação dos órgãos de controle com a pandemia da Covid-19 e, assim, assegurar a realização das festas.

Em evento do governo estadual hoje (22), Cícero revelou seus planos para ampliar o número de imunizados na capital.

Fizemos um mapa e sabemos quantas pessoas ainda não tomaram a segunda dose, por bairro. Vamos fazer uma operação nova para que possa atingir o maior número possível, exatamente com esse objetivo de ter a tranquilidade dos eventos que estão planejados”, disse Cícero.

Atualmente, a capital está com taxa de retransmissibilidade acima de 1 RT, o que acendeu o sinal de alerta dos órgãos públicos de controle.