Angélica Nunes
Laerte Cerqueira

Tárcio Teixeira denuncia ao MPF atuação de suposta ‘milícia política’ em atos de violência na Paraíba

Na denúncia, o presidente do PSOL afirma que existe o risco de haver uma guerra ou ‘banho de sangue’ na Paraíba em ações que seriam organizadas entre policiais e facções criminosas.

O presidente do PSOL na Paraíba, Tárcio Teixeira, protocolou no Ministério Público Federal (MPF) uma denúncia sobre uma suposta instalação de uma ‘milícia política’ no movimento da Polícia Militar por melhores condições de trabalho e de salário. Ele já havia acionado o procurador-geral de Justiça, Antônio Hortêncio, para que o caso também seja investigado no âmbito do Ministério Público da Paraíba (MPPB).

Em coletiva à imprensa, Tárcio Teixeira disse que teve acesso a áudios que mostram supostas pressões a policiais que não desejam participar do movimento contra o trabalho em horário extra, na Paraíba, de ligações entre policiais e facções criminosas que estariam planejando instaurar o caos na segurança pública, e falou no risco de haver uma guerra ou ‘banho de sangue’ na Paraíba no próximo fim semana.

“O clima instalado nesse instante entre alguns policiais militares e facções criminosas é de tal gravidade que, segundo as informações registradas nos prints e documentos (apresentados na denúncia), circula nos grupos de policiais militares mensagens ameaçando de morte detentos, familiares de detentos em momentos de visita e até mesmo a comunidade de forma geral, tudo isso capitaneado por um grupo de policiais que se auto intitula ‘A ORDEM'”, diz Tárcio um trecho da denúncia.

Veja também  Governistas já pensam em possíveis substitutos de Aguinaldo

Politização

O presidente do PSOL também fez ligações entre os supostos episódios de violência que vem ocorrendo no estado com o movimento de policiais que vem sendo liderado pelo deputado estadual Cabo Gilberto (PSL), que tem pretensão de disputar as eleições ao governo este ano.

Não aceitaremos partidarização da Polícia Militar. Esse é o momento de unidade. Que essa denúncia sirva para barrar um banho de sangue. É isso que está pautado em relação a esse difícil momento político da Paraíba”, afirmou Teixeira.

Sobre a instabilidade gerada na segurança pública desde o início do movimento, esta semana, o governador João Azevêdo (Cidadania) se manifestou publicamente, determinando uma intervenção imediata contra os policiais que estariam fazendo a ‘greve branca’ e ameaçou recorrer à Justiça caso a situação não retorne à normalidade.

O Conversa Política entrou em contato com o deputado Cabo Gilberto e aguarda retorno. À imprensa, ele afirmou que não teme as investigações e que tem batalhado em prol da categoria.