Angélica Nunes
Laerte Cerqueira

Coronel Euller pede exoneração do Comando-geral da PM e será candidato a deputado estadual

O Comandante da PM deve escolher entre o PSB, Republicanos ou Podemos. Como os dois primeiros já estão “inflados”, Euller caminha para integrar o Podemos.

Foto: Arquivo Pessoal
Foto: Arquivo Pessoal

Depois de 11 e 3 meses (4.100 dias) anos à frente do Comando-geral da PM da Paraíba, o Coronel Euller Chaves vai deixar o cargo para ser candidato a deputado estadual nas eleições de outubro.

Ao Conversa Política, afirmou que já entregou o ofício ao governador e a exoneração deve sair no Diário Oficial do Estado da sexta para o sábado (2). Ele vai aguardar a passagem para reserva, durante 15 dias, e depois se filiará a um partido.  No caso dele, militar, o prazo é esticado, de acordo com a legislação eleitoral.

Espero resolver até o dia 19 de abril. Depois vou lançar a pré-candidatura”, afirmou.

O Coronel prestou 38 anos e seis meses de serviço à PM. Foi presidente do Conselho Nacional de Comandantes-gerais das PM e Bombeiros por dois mandatos.

O Comandante da PM deve escolher entre o PSB, Republicanos ou Podemos. Como os dois primeiros já estão “inflados”, Euller caminha para integrar o Podemos. É onde muitos acreditam que ele pode ter chances mais claras de entrar, com a estimativa de votos calculada.

Veja também  Congresso derruba vetos e setor cultural terá R$ 4,8 bilhões em incentivos financeiros

O comando do Podemos

O Podemos será comandado pelo deputado estadual Felipe Leitão, que deixará o Avante. É o que espera Coronel Euller, mesmo com a informação de que o deputado estadual estaria de malas prontas para o PSD.

Na lista de pré-candidatos ao parlamento estadual pela legenda também estão Jacó Maciel, ex-deputado, de Queimadas; Lucinha, filha do pastor Zé Carlos, da Assembleia de Deus; e Nelson Gomes, ex-vereador de Campina.

O governo quer um representante da PM na AL para poder fazer frente aos representantes da segurança pública que fazem oposição com discurso mais à direita. Lê-se bolsonaristas, como Wallber Virgulino e Cabo Gilberto. Os dois foram um “calo” para o governo nos últimos 3 anos.