João Paulo Medeiros

Traficante preso na Paraíba era nº 2 na lista de procurados da Itália

Rocco foi preso na companhia de outros dois estrangeiros. PF vai investigar o que fazia o italiano na Paraíba

Divulgação/Via AFP

O italiano Rocco Morabito, preso ontem em um quarto de hotel de João Pessoa por equipes da Polícia Federal, era considerado o segundo criminoso mais procurado da Itália e acusado de envolvimento com a ‘Ndrangheta, considerada uma das maiores e mais poderosas organizações criminosas do mundo. As informações são do Ministério da Justiça.

Rocco foi preso na companhia de outros dois estrangeiros. A Polícia Federal deverá investigar agora o que teria atraído o narcotraficante para a Paraíba.

Um deles, também italiano, é foragido da Justiça. O narcotraficante era investigado pela Polícia Federal desde 2019, quando fugiu de uma prisão no Uruguai e teria vindo para o Brasil.
Ele foi condenado na Itália a 30 anos de prisão. A prisão foi feita em parceria com a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e a polícia italiana, cujas agências dos Carabinieri e do Serviço de Cooperação Internacional de Polícia (Projeto I-Can) participavam da investigação em conjunto com o Escritório Central da Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol) no Brasil.
Rocco foi preso em cumprimento a um mandado expedido pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Veja também  Justiça mantém prisões de empresários suspeitos de sonegação de R$ 230 milhões

Histórico
Rocco Morabito está entre os principais líderes da máfia calabresa Ndrangheta. O caso tornou-se um dos principais tópicos policiais internacionais, sobretudo para as polícias do Brasil, da Itália e do Uruguai.
Morabito viveu por cerca de 15 anos em Punta del Este, no Uruguai. Nesse país, vivia com uma identidade falsa. Em setembro de 2017, foi preso em Montevidéu, onde permaneceu até o fim de junho de 2019, quando fugiu com outros três presos.