João Paulo Medeiros

Em vídeo, procurador de Gado Bravo diz que oposição fez denúncias "infundadas" à PF

Gado Bravo terá eleições complementares no dia 12 de setembro

Foto: Arquivo pessoal

“É um procedimento rotineiro muito fruto das eleições que se aproximam. Então a oposição, aproveitando-se desse momento eleitoral, passa a fazer denúncias infundadas e improcedentes”. A declaração é do procurador do município de Gado Bravo, André Motta de Almeida, ao comentar o cumprimento de um mandado de busca e apreensão pela Polícia Federal na sede da prefeitura da cidade.
A ação da PF apura um possível abuso de poder econômico, com a utilização de recursos públicos na campanha eleitoral do município.

A cidade terá, no próximo dia 12 de setembro, eleições complementares.

Dois mandados de busca foram expedidos. Um foi cumprido na prefeitura. O outro na sede de uma empresa que trabalha com comunicação, em Campina Grande, e que presta serviços à prefeitura de Gado Bravo.

“Foi uma busca normal e natural, apenas para recolher alguns contratos. Processos licitatórios que são públicos”, assinalou Motta.

Veja também  Na falta de bombeiros, Wilson Filho assume o papel