João Paulo Medeiros

STTP rescinde contrato da Zona Azul e vai abrir concessão para mercado privado

Município tenta implementar mudanças no setor desde a gestão passada.

Foto: Jornal da Paraíba

Depois de meses de negociações, processos licitatórios e tratativas, a Superintendência de Trânsito e Transportes Públicos (STTP) decidiu rescindir o contrato com a empresa Rizzo Parking And Mobility S/A, que havia vencido a licitação para fornecer um software para o gerenciamento da Zona Azul, em Campina Grande.

A decisão foi publicada no Semanário Oficial do município.

O debate sobre mudanças no atual sistema teve início ainda em 2019, após denúncias de falhas na prestação de contas do setor feitas ao Ministério Público.

De lá para cá a STTP deu início a um processo para implementar um novo modelo, resultando na licitação vencida pela Rizzo Parking. Até hoje, porém, o serviço digital nunca funcionou e continua sendo prestado por entidades sociais.

Foto: reprodução

Agora a STTP decidiu mudar de rota. Rescindiu o contrato com a Rizzo e deverá fazer uma nova licitação para uma concessão pública.

O objetivo é conceder os serviços de Zona Azul Digital para o mercado privado, com a proposta de que as empresas concessionárias firmem parcerias com entidades sociais para que os atuais operadores de rua sejam mantidos.

Veja também  Justiça rejeita pedido para cancelar motociata de Bolsonaro em Campina Grande

“A atual gestão, após estudos técnicos entendeu que a modalidade de concessão pública, transferindo para o setor privado a gestão do estacionamento rotativo em Campina Grande, atende ao atual período do município, como ocorre em várias cidades do Brasil”, informou a STTP.

“Nesse novo sistema, a STTP passará para o setor privado a gestão do estacionamento rotativo de Campina Grande, que terá que aplicar ferramentas tecnológicas como fiscalização e transparência em tempo real”, explica o órgão.

O Sistema atual da Zona Azul

Atualmente a Zona Azul em Campina é administrada por três associações: a União Campinense de Equipes Sociais (UCES), a Rede Nacional de Pessoas Vivendo e Convivendo com a AIDS (RNP) e a Cooperativa Paraibana de Pessoas com Deficiência. Juntas elas arrecadam, segundo estimativas da Superintendência de Trânsito e Transportes Públicos (STTP), cerca de R$ 180 mil por mês.

Por ano, considerando um período de doze meses, os recursos ultrapassariam a cifra de R$ 2 milhões. Desde 2002, de acordo com o MP, a escolha das entidades que administram a Zona Azul tem sido feita por meio de convênios de cooperação – sem procedimento licitatório.