João Paulo Medeiros

Acuado, Bolsonaro ‘bate pino’ e reconhece excessos em atos do dia 7

Após encontro com Temer, presidente divulgou carta hoje

Foto: reprodução

O presidente Jair Bolsonaro decidiu recuar. ‘Bateu pino’, como dizem no Calçadão da Cardoso Vieira, em Campina Grande. Acuado e isolado politicamente, ele publicou hoje uma declaração em que, em outras palavras, reconhece o excesso de seus discursos nos atos antidemocráticos do dia 7 de setembro.

O documento foi elaborado após uma conversa com o ex-presidente Michel Temer (MDB) e de uma ligação para um de seus principais desafetos, o ministro Alexandre de Moraes, do STF.

O movimento é, em síntese, o reconhecimento de que não há ‘pernas’ para percorrer o caminho de um golpe contra a democracia. As instituições brasileiras e a população não aceitariam isso.

E esse recado tem sido dado por partidos políticos, pelos chefes do Judiciário e, sobretudo, pelas pesquisas de opinião que mostram a queda na popularidade do presidente.

Bolsonaro deu ré. E terá que fazê-lo sempre que elevar o tom contra as instituições democráticas.

Se quiser permanecer em Brasília, terá que vencer no voto as eleições de 2022. É o único caminho. Do contrário, continuará batendo pino.

Confira a declaração na íntegra:

Declaração à Nação

No instante em que o país se encontra dividido entre instituições é meu dever, como Presidente da República, vir a público para dizer:

1. Nunca tive nenhuma intenção de agredir quaisquer dos Poderes. A harmonia entre eles não é vontade minha, mas determinação constitucional que todos, sem exceção, devem respeitar.

2. Sei que boa parte dessas divergências decorrem de conflitos de entendimento acerca das decisões adotadas pelo Ministro Alexandre de Moraes no âmbito do inquérito das fake news.

3. Mas na vida pública as pessoas que exercem o poder, não têm o direito de “esticar a corda”, a ponto de prejudicar a vida dos brasileiros e sua economia.

4. Por isso quero declarar que minhas palavras, por vezes contundentes, decorreram do calor do momento e dos embates que sempre visaram o bem comum.

5. Em que pesem suas qualidades como jurista e professor, existem naturais divergências em algumas decisões do Ministro Alexandre de Moraes.

6. Sendo assim, essas questões devem ser resolvidas por medidas judiciais que serão tomadas de forma a assegurar a observância dos direitos e garantias fundamentais previsto no Art 5º da Constituição Federal.

7. Reitero meu respeito pelas instituições da República, forças motoras que ajudam a governar o país.

8. Democracia é isso: Executivo, Legislativo e Judiciário trabalhando juntos em favor do povo e todos respeitando a Constituição.

9. Sempre estive disposto a manter diálogo permanente com os demais Poderes pela manutenção da harmonia e independência entre eles.

10. Finalmente, quero registrar e agradecer o extraordinário apoio do povo brasileiro, com quem alinho meus princípios e valores, e conduzo os destinos do nosso Brasil.

 

Veja também  Após casos de Lucena, ministro do STF pede informações sobre vacinação de crianças

DEUS, PÁTRIA, FAMÍLIA

Jair Bolsonaro

Presidente da República federativa do Brasil