João Paulo Medeiros

Afastado há 1 ano e 7 meses, prefeito investigado por pedir dinheiro do ‘refrigerante’ vira réu no TJPB

Gestor chegou a ser preso em 2020, mas foi reeleito

Foto: divulgação
Foto: divulgação

O prefeito eleito de Camalaú, Alecsandro Bezerra dos Santos (Sandro Môco), tornou-se réu ontem em mais um processo junto ao Tribunal de Justiça da Paraíba. Apesar de ter sido reeleito, em novembro de 2020, o gestor está afastado da prefeitura desde agosto de 2020 – há um ano e sete meses.

Na época ele foi alvo da Operação Rent a Car, que apurou fraudes na locação de veículos do município.

No processo analisado ontem pelo TJ, Sandro Môco é acusado pelo Ministério Público de, supostamente, pedir propina para realização de um show.

De acordo com a denúncia, o prefeito entrou em contato por aplicativo de mensagem com o proprietário da banda “Pedrinho Pegação”. Ao final da negociação, o gestor acertou a contratação da banda por R$ 25 mil, mas expressamente solicitou ao dono que lhe repasse “o dinheiro do refrigerante”.

Veja também  Auditoria do TCE identifica obra hídrica inacabada há mais de 10 anos e esgoto no Canal do São Francisco

Segundo o TJ, o prefeito responde ainda a processo por furto de água de uma adutora da Cagepa.