Filmagens do curta ‘Anayde’ são finalizadas e filme aborda lado poético da vida dela

Filme é um recorte metafórico de Anayde Beiriz, professora, poetisa e escritora.

Personagem de Anayde Beiriz é protagonizado por Jamila Facury
Personagem de Anayde Beiriz é protagonizado por Jamila Facury. Foto: Edson Lemos/Arquivo Pessoal

As filmagens do curta “Anayde”, roteirizado e dirigido pela cineasta Saskia Lemos, foram concluídas na madrugada desta terça-feira (6), em João Pessoa. O filme, que ainda não tem data prevista de lançamento, é um recorte metafórico da vida de Anayde Beiriz, professora, poetisa e escritora paraibana.

Foram quatro dias de gravações, que aconteceram no Hotel Globo, no Centro Histórico da capital. A equipe, composta principalmente por mulheres, utilizou uma só locação e precisou se adaptar à pandemia com uma equipe reduzida. O curta se tornou possível por meio do edital estadual da Lei Aldir Blanc.

Saskia Lemos é formada em cinema e audiovisual pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e em uma das disciplinas foi preciso criar um projeto audiovisual. Saskia, após ter contato com a história de Anayde Beiriz, pesquisou um pouco mais sobre a vida da paraibana e se aventurou na narrativa. Seguiu com o conteúdo para o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), o qual rendeu o roteiro de um longa-metragem sobre Anayde Beiriz. O roteiro foi semifinalista no Festival Cabide de Roteiros.

Veja também  Anitta integra elenco de nova animação do produtor de ‘Minions’

Para o curta, Saskia realizou um recorte da história de Anayde, muito mais poético do que histórico. “É um recorte mais metafórico e poético. Tem todo o contexto como professora e poeta que também teve a vida interrompida”, revela Saskia.

Protagonizada pela atriz Jamila Facury, como Anayde, o filme conta com mais dois personagens: Maria Augusta, mãe de Anayde e interpretada por Norma Goés, e Vitor Blam, como João Dantas. Momentos antes de partir, Anayde se encontra com aqueles dos quais não pode se despedir”, narra a sinopse.

Para compor a narrativa, Saskia usou de toda pesquisa que realizou durante o TCC, como livros que contam a história da poetisa e também entrevista com familiares.

Jamila Facury, Vitor Blam, Norma Goés e, sentada, Saskia Lemos. Foto: Edson Lemos/Arquivo Pessoal