Suspeita de estelionato procurada em vários estados é presa, em Campina Grande

Segundo Polícia Civil, mulher de 55 anos é suspeita de praticar estelionato desde os 18. Ela foi presa dentro de uma agência de cooperativa de crédito, enquanto tentava se passar por cliente.

Foto: Reprodução/TV Paraíba

Uma mulher suspeita de estelionato em vários estados do Brasil foi presa, em Campina Grande, na tarde desta terça-feira (21). Conforme a Polícia Civil, ela estava em uma agência de cooperativa de crédito tentando se passar por uma cliente. Adriana Maria de Oliveira Furtado, de 55 anos, já foi presa outras duas vezes pelo mesmo crime e responde a 51 processos.

O delegado Demétrius Patrício afirmou em entrevista coletiva, nesta quarta-feira (22), que Adriana é suspeita de praticar estelionato desde os 18 anos e que tem um patrimônio avaliado em R$ 10 milhões, na cidade de Joinville, sua terra natal.

Ainda conforme a Polícia Civil, a mulher possui 7 CPFs e tem entre as vítimas de golpes uma ministra do STJ e uma desembargadora do estado da Bahia. A suspeita tem processos na Paraíba, Rio Grande do Norte, São Paulo e Santa Catarina.

Veja também  Em CG: Polícia recupera diamantes e relógios furtados do apartamento de Carlinhos Maia

Como a prisão da suspeita de estelionato aconteceu

O superintendente da Polícia Civil de Campina Grande, delegado Glauber Fontes, em entrevista à TV Paraíba, disse que polícias de outros estados informaram que a suspeita estaria em Campina Grande e que tentaria aplicar golpes em agências bancárias. A partir disso, a Polícia Civil montou uma estratégia para tentar localizá-la.

Ela foi encontrada e identificada dentro de uma cooperativa de crédito da cidade, enquanto se passava por uma cliente do banco.

O delegado Glauber Fontes explicou que a suspeita, com informações privilegiadas, falsificava documentos e fingia ser cliente de agências bancárias para solicitar saques. Ela já havia aplicado um golpe na cidade de Campina Grande em 2020, no valor de R$ 20 mil.