Aumenta número de afogamentos em CG

Com objetivo de alertar para o alto índice de afogamentos na região e como prevenir, bombeiros realizaram simulação nesta sexta (20).

Preocupado com o número de vítimas de afogamentos nos primeiros dias do ano na zona rural de Campina Grande e cidades circunvizinhas, o 2º Batalhão de Bombeiros Militar de Campina Grande realizou na manhã de ontem, uma simulação de salvamento aquático no Açude da Fazenda Maria da Luz, na cidade. Em 15 dias, seis pessoas morreram na região.

As ocorrências aconteceram no Sítio Lucas, em Campina, e nas zonas rurais dos municípios de Lagoa Seca, Remígio, Itatuba, Mogeiro e Santa Luzia. As estatísticas mostram que 100% das vítimas eram adolescentes ou jovens. No ano passado, não houve registros de afogamento em janeiro, mas o mês de março liderou o número de ocorrências com sete vítimas.

O objetivo da simulação é alertar a população, através da divulgação de medidas preventivas e orientação de resgate seguro.

“Fatores como a chegada do verão, férias escolares, mananciais cheios e bares nas proximidades contribuem para o aumento do volume de banhistas nos açudes e riachos, queremos mostrar que não existe lugar seguro para nadar, o que existe são as medidas adequadas de prevenção”, enfatizou o comandante do 2º BBM, major Fábio Santos.

Veja também  Frangos mortos são despejados em canal na região do Centro de Campina Grande

Em 2011, foram registrados um total de 39 afogamentos, grande parte deles na zona rural dos municípios atendidos pelo batalhão.

De acordo com o comandante, estes acidentes se devem à imprudência de alguns banhistas, que ingerem bebidas alcoólicas e acabam perdendo a noção do perigo e pela falta de medidas preventivas no momento do banho.

Outro fator preocupante, segundo o major Fábio, é que durante o afogamento pessoas comuns tentam fazer o resgate, o que não é aconselhado. “Qualquer cidadão, por melhor que seja seu preparo físico, nunca está apto para realizar o salvamento. Nas ocorrências deste ano, o número de mortes foi maior porque as pessoas foram tentar resgatar a vítima e acabaram se tornando também uma vítima”, lamentou.