Angélica Nunes
Laerte Cerqueira

OS que administrava hospitais de Patos terá de devolver R$ 21 milhões aos cofres públicos

Por LAERTE CERQUEIRA e ANGÉLICA NUNES 

Foto: Reprodução/TV Paraíba

Mais uma Organização Social que administrava hospitais da Paraíba teve as contas reprovadas e vai ter que devolver dinheiro aos cofres públicos. Mais uma que não comprovou gastos de dinheiro repassado pelo estado para gerir as unidades hospitalares.

Desta vez, os conselheiros do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba, por unanimidade, julgaram irregulares as despesas realizadas pelo Instituto GERIR, Organização Social contratada pela Secretaria de Saúde do Estado para gestões no Hospital Regional Janduhy Carneiro e Maternidade Dr. Peregrino Filho na cidade de Patos em 2019.

De acordo com o TCE, foram feitas duas inspeções especiais e elas revelaram prejuízos que chegaram ao montante de R$ 21 milhões.

Veja também  Harrison defende diálogo entre OAB e TJPB para redução das custas judiciais

O montante é de despesas não comprovadas e ilegítimas, segundo o TCE. A relatoria foi do conselheiro André Carlo Torres Pontes. Os valores foram imputados, solidariamente, ao Instituto GERIR e ao diretor Antônio Borges de Queiroz, e devem ser ressarcidos no prazo de 30 dias.

Cabe recurso.

Irregularidades 

A auditoria identificou transferências de dinheiro, sem justificativa, para outra conta corrente do próprio Instituto, diversa daquela utilizada para recebimento e prestação de contas. E ainda: bloqueios judiciais que impediram compromissos com folha de pessoal e superfaturamento de contratos.

Os prejuízos são de R$ 15,2 milhões referentes à gestão do do Complexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro  e R$ 6 milhões da gestão da Maternidade Dr. Peregrino Filho.